Ministro da Economia diz-se “muito triste” com “esta cultura de suspeição generalizada”

O ministro da Economia e do Mar manifestou-se hoje “muito triste” com um país “que tem esta cultura de suspeição generalizada” e assegurou que tem uma “crença muito grande no Estado de Direito”.

António Costa e Silva, Ministério da Economia e do Mar. Foto: Cristina Bernardo

António Costa Silva, que falava no parlamento, na comissão parlamentar de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação, no âmbito de uma audição regimental, respondia assim ao deputado do Chega Pedro Pinto, que o instou a comentar sobre a notícia de novembro que dava conta que o secretário de Estado do Mar, José Maria Costa, estava a ser investigado por alegada violação da contratação pública.

“Todos os cidadãos podem ser investigados e isso não acolhe nada em termos de qualquer culpabilidade, o senhor secretário de Estado não foi arguido, não foi acusado e, portanto, dá-me todas as condições”, afirmou António Costa Silva.

“Conheço o senhor secretário de Estado do Mar há já algum tempo, é uma pessoa que é extremamente dedicada à causa pública, tem uma vida dedicada à causa pública que explica por si só o seu empenho”, prosseguiu o governante, que lamentou a cultura de suspeição generalizada.

“Fico muito triste com um país que cultiva, que tem esta cultura da suspeição generalizada, sobre tudo e sobre todos”, enfatizou o ministro da Economia e do Mar.

O governante sublinhou que é preciso “defender a decência”, salientando que não há qualquer acusação, existe uma investigação, pelo que é preciso aguardar.

“Temos os nossos órgãos judiciais que funcionam, temos um Estado de Direito, e quando as pessoas cometem crimes ou prevaricam são sancionadas”, apontou António Costa Silva.

O secretário de estado do Mar “tem uma carreira que fala por si, está acima de qualquer dessas suspeitas, é investigado, reinvestigado, nunca foi acusado, e nós não vamos aqui inverter o ónus da prova, as pessoas só são culpadas quando são condenadas em tribunal”, sublinhou.

“Tenho uma crença muito grande no Estado de Direito”, rematou sobre o tema.

António Costa Silva também foi questionado sobre as razões de saída dos secretários de Estado do Turismo e da Economia do seu ministério no final do ano passado, e se há estabilidade.

“Já tenho uma experiência de vida longa, sou um homem sereno e tranquilo, sempre focado nos objetivos”, começou por responder, assegurando que a equipa do ministério é “coesa, estável”.

Aliás, “como todas as equipas pode ter alterações, o que importa é o programa, a política, a vontade e a dedicação e isso, no nosso caso, não falha”, asseverou o governante.

O deputado do Chega insistiu sobre as razões e se se deveu a divergências sobre a política fiscal. “Penso que essa questão está hoje completamente ultrapassada”, disse o ministro.

“O que estamos a fazer aqui é a olhar para o futuro, sobre as divergências, nós muitas vezes temos divergências connosco próprios quando olhamos para os problemas complexos, o que se trata aqui é ao nível das equipas, ter equipas que consigam rematar à baliza e não passem sempre a bola para trás. E nós temos que fazer isso sempre”, concluiu.

Recomendadas

Pedro Nuno Santos só regressa ao Parlamento no verão (com áudio)

Se o ministro demissionário não quiser voltar ao lugar de deputado na Assembleia da República, terá de renunciar ao lugar.

Parlamento debate hoje apreciações parlamentares sobre novo estatuto do SNS

O PSD propõe também que sejam criados “verdadeiros incentivos para os médicos de família terem a motivação necessária para ficarem no SNS, e possivelmente até atrair médicos que o SNS foi perdendo ao longo dos últimos anos, para procurar responder à questão da falta de médicos de família”.

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quarta-feira

Pedro Nuno Santos prolonga suspensão do mandato; Fecho do ano traz otimismo mas famílias vão continuar a sofrer; Imposto fez baixar 38% a venda das bebidas mais açucaradas.
Comentários