Ministro da Educação volta ao parlamento para discutir a escola publica e a carreira de docente

A pedido do PCP realizou-se hoje um debate no parlamento sobre a escola pública e a atratividade da carreira de docente. Apesar das muitas perguntas feitas pelos partidos, o ministro da Educação não avançou mais do que as medidas já lançadas na semana passada.

Nesta quarta-feira o parlamento debateu a pedido do PCP, a “defesa da escola pública e a falta de atratividade da carreira de docente”, o ministro da Educação, João Costa e o secretário da Educação, António Leite, estiveram presentes. O ministro já tinha marcado presença na semana passada num debate parlamentar à pedido do Chega, para debater as greves neste sector.

Durante o debate foram apontadas críticas aos sete anos de governação do PS e a falta de resposta dada aos docentes. A falta de professores e a desvalorização das carreiras, foram aspetos reforçados pelos partidos, que se mostram frustrados pelas fracas negociações entre o governo e os sindicatos.

Carla Castro, deputada da Iniciativa Liberal, relembrou que cada vez mais existem mais encarregados de educação a procurar escolas privadas, pela “falta de qualidade que existe na escola pública”.  Foram várias as perguntas feitas ao ministro sobre o que o governo e o ministério da Educação pretendem realmente fazer para responder às reivindicações dos professores, mas o ministro não adiantou mais do que as medidas já propostas pelo governo na semana passada.

A revisão do regime dos concursos de colocação, a recuperação do tempo de serviço congelado, o fim das quotas na avaliação, as condições de trabalho, a mobilidade por doença e um regime específico de aposentação são questões para que os professores exigem respostas do Ministério da Educação e estão na base das greves que há semanas agitam o país.

Recomendadas

Stop diz que Governo continua sem respostas para as reivindicações dos professores

O coordenado nacional do Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (Stop) disse hoje que o Governo continua sem dar respostas às reivindicações dos professores, considerando a reunião de hoje desoladora.

Fenprof vai fazer queixa ao Ministério Público por alegado abuso de serviços mínimos

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) anunciou hoje que vai apresentar queixa no Ministério Público contra diretores escolares que “estão a querer impor serviços mínimos a reuniões sindicais”.

Professores dizem que “não saiu coisa nenhuma” da reunião com ministério da Educação (com áudio)

Os sindicatos de professores consideraram que “praticamente não saiu coisa nenhuma” da reunião de hoje com responsáveis do Ministério da Educação, a quem acusam de querer chegar apenas a “acordozinhos”.
Comentários