Ministro do Ambiente explica Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050

A redução de emissões de gases com efeito de estufa entre 85% e 99% em relação a 2005 é uma das metas previstas para Portugal.

João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e da Transição Energética,  participa hoje, dia 4 de dezembro, a partir das 9h30m, na sessão de apresentação do ‘Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050’ (RNC2050), na terça-feira, 4 de dezembro, às 9h30, que se irá realizar no auditório 2 da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

“O ‘Roteiro para a Neutralidade Carbónica’ assume o compromisso de Portugal atingir a neutralidade carbónica até 2050 e define cenários macroeconómicos, além de modelar as emissões dos setores eletroprodutor, residencial e de serviços, dos transportes, da indústria, dos resíduos e da agricultura e das florestas”, explica um comunicado do Ministério do Ambiente.

Nesta sessão, que também contará coma presença do ministro-adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, serão destacas as várias metas para Portugal na neutralidade carbónica até 2050, como a redução de emissões de gases com efeito de estufa entre 85% e 99% em relação a 2005 e o aumento da eletrificação da economia: mais de 65% dos consumos energéticos finais serão de eletricidade.

O protagonismo crescente da produção solar descentralizada, contribuindo com 25% da produção; a redução de emissões na indústria de 70%; e a redução de 25% da produção de resíduos urbanos ‘per capita’ são outros dos objetivos elencados neste ‘Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050’.

 

 

 

 

 

 

Recomendadas

Furacão Ian. Autoridades dos EUA esperam consequências “catastróficas”

O Estado norte-americano da Florida prepara-se hoje para a chegada do furacão Ian, que devastou o oeste de Cuba e que está “a intensificar-se rapidamente”, podendo ter consequências “catastróficas”, segundo os serviços meteorológicos locais.

Alterações climáticas. Terra aproxima-se do ‘ponto sem retorno’, diz primatologista Jane Goodall

“Sabemos o que devemos fazer. Quero dizer, temos as ferramentas. Mas deparamo-nos com o pensamento de curto prazo de ganho económico versus a proteção de longo prazo do meio ambiente para assegurar um futuro”, indicou a cientista que ficou conhecida pelo seu estudo pioneiro de seis décadas sobre chimpanzés na Tanzânia.

Ativistas aumentam pressão sobre governos para intensificarem esforços de ação climática

Até ao momento, mais de 80 processos judiciais foram iniciados em todo o mundo para “obrigar” os governos a intensificarem os esforços.
Comentários