Ministro dos Negócios Estrangeiros da Sérvia em ‘viagem de charme’ a Bruxelas

Ivica Dacic, reuniu-se com o Alto Representante da União Europeia para a Política Externa e Segurança Comum, Josep Borrell e com vários grupos parlamentares. Um dia depois de se saber que a Alemanha impõe o reconhecimento do Kosovo para a Sérvia entrar na União.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Sérvia, Ivica Dacic, reuniu em Bruxelas com o chefe da diplomacia da União Europeia, depois de se ter encontrado com o enviado especial da União para o diálogo entre Belgrado e Pristina, Miroslav Lajcak e com membros do Parlamento Europeu. Tudo pouco depois de a Alemanha ter dito publicamente que só aceita apoiar a entrada da Sérvia na União Europeia se Belgrado aceitar reconhecer a independência do Kosovo – efetiva desde 2008 e que, curiosamente, o país de origem de Borrell, a Espanha, também não reconhece.

Em comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Sérvia, explicou que Dacic reiterou a posição de que a adesão à União Europeia continua a ser um dos objetivos estratégicos da Sérvia e uma das principais prioridades da política externa.

O ministro observou que a Sérvia continua totalmente empenhada no processo de reforma e na melhoria de todas as esferas da sociedade – seguindo os ‘conselhos’ da União Europeia para conseguir um alinhamento que lhe permita entrar no bloco – bem como no desenvolvimento da cooperação regional.

Dacic falou com a deputada dos Verdes e relatora permanente para o Kosovo no Parlamento Europeu, Viola von Kramon, e com os eurodeputados Demetris Papadakis e Matjaz Nemec, entre outras personalidades.

No que diz respeito ao progresso no caminho europeu, os membros do Parlamento avaliaram positivamente o processo de reforma e as medidas tomadas pelo governo sérvio para harmonizar a sua política de vistos com a União, mas também pediram uma maior harmonização da política externa e de segurança. É que a Sérvia, para além de insistir em não reconhecer o Kosovo, também tem tido dificuldades em alinhar na política de confrontação com a Rússia. Aliás, a Sérvia não aceitou impor sanções a Moscovo, depois da invasão da Ucrânia.

O último relatório do Parlamento Europeu sobre a Sérvia lamenta repetidamente que o país não tenha imposto sanções à Rússia, recordando a Belgrado que, como país candidato à adesão, deve aderir aos princípios e políticas do bloco, nomeadamente em termos externos.

Dacic, disse que a Sérvia não tem problemas em harmonizar as políticas da UE na parte que não prejudica seus interesses nacionais. Ou, dito de outra forma, a questão da Rússia não é tão simples como pode parecer.

Quanto ao diálogo entre Belgrado e Pristina, Dacic reiterou que a Sérvia condena qualquer violação do direito internacional, mas lamentou que alguns responsáveis ​​europeus insistam na necessidade de respeitar a integridade territorial da Ucrânia, que a Sérvia apoia inequivocamente, mas que no seu caso não é apoiada. Ou dito de outra forma: nada indica que a Sérvia venha a reconhecer o Kosovo.

Recomendadas

Congresso brasileiro toma posse, com eleiçao de líderes que definem relação com governo

Vencerá a eleição no Senado o candidato com 41 ou mais votos de um total de 81 senadores.

Receitas dos casinos de Macau atingem valor mais elevado desde início da pandemia

As concessionárias em Macau têm acumulado desde 2020 prejuízos sem precedentes e o Governo tem sido obrigado a recorrer à reserva extraordinária para responder à crise, já que cerca de 80% das receitas governamentais provêm dos impostos sobre o jogo.

Brasil gerou dois milhões de empregos no ano passado, menos do que em 2021 (com áudio)

O Brasil, a maior economia da América Latina, gerou 2.037.982 empregos formais em 2022, 26,6% menos do que os criados em 2021, disse esta terça-feira o governo.
Comentários