Ministro dos Negócios Estrangeiros tem empresa com sócio condenado por fraude fiscal (com áudio)

Gomes Cravinho detém mil euros na sociedade Eurolocarno, sendo sócio maioritário, e Almeida Lagoa uma quota de 500 euros na mesma empresa. O ministro tornou-se sócio em novembro de 2020. 

Cristina Bernardo

O atual ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, detém uma sociedade imobiliária com o sócio Almeida Lagoa, que já foi condenado por fraude fiscal, revela a “CNN Portugal”. Outro sócio da empresa, Silva Barão, esteve envolvido num negócio que lesou o fundo de resolução do Novo Banco em 260 milhões de euros.

Gomes Cravinho detém mil euros na sociedade Eurolocarno e Almeida Lagoa uma quota de 500 euros na mesma empresa. O ministro tornou-se sócio em novembro de 2020.

A “CNN Portugal” adianta que o negócio de Silva Barão envolveu a venda de 13 mil imóveis a um fundo anónimo, com o banco a denominar o negócio como “Portfólio Viriato”. Estes imóveis – casas e terrenos – foram vendidos por 364 milhões de euros, um valor muito abaixo do que tinham sido avaliados, uma vez que valiam 613 milhões.

Por sua vez, o nome de Marcos de Almeida Lagoa está envolvido no processo dos CTT, sendo um dos onze arguidos no caso, julgado por crimes económicos que terão causado um prejuízo de 13,5 milhões à empresa.

À publicação, o ministro apontou não ter conhecimento de problemas judiciais que envolvam os seus sócios, sendo que a empresa “nunca teve qualquer problema com a justiça, tendo a sua situação judicial e fiscal regularizadas”.

Recomendadas

Justiça suíça abre processo sobre fuga de informação no Credit Suisse

Em fevereiro de 2022 foram expostas mais de 18 mil contas do Credit Suisse que estarão ligadas a empresários sobre os quais recaem sanções ligadas à violação dos direitos humanos, e pessoas envolvidas em esquemas de fraude.

Tribunal de Leiria condena homem a 10 anos de prisão por abuso sexual de enteadas

O Tribunal Judicial de Leiria condenou um homem a 10 anos de prisão por cinco crimes de abuso sexual de criança agravados, de que foram vítimas duas irmãs, suas enteadas, segundo o acórdão hoje consultado pela agência Lusa.

Processo que envolve direção do Benfica em segredo de justiça

Os advogados do Benfica referiram hoje que o processo em que a SAD e membros do Conselho de Administração do mandato 2016-2020 foram constituídos arguidos está em “segredo de justiça” e que a divulgação “pode constituir ilícito criminal”.
Comentários