Ministro francês demite-se depois de condenado por ocultar bens

O tribunal acusou o ministro de não ter declarado, entre outras coisas, um plano de poupança em ações no valor de 171 mil euros, e “participações diretas” em várias empresas, como a Française des Jeux ou a Natixis.

Paris, França

Alain Griset, ministro francês das Pequenas e Médias Empresas, demitiu-se esta quarta-feira, 8 de dezembro, depois de ter sido condenado a uma pena suspensa de seis meses de prisão por ocultar parte dos seus bens.

“Alain Griset apresentou a sua demissão como membro do Governo” ao presidente Emmanuel Macron e ao primeiro-ministro Jean Castex, refere um comunicado emitido pelo Ministério da Economia estrutura de que dependia.

O tribunal acusou o ministro de não ter declarado, entre outras coisas, um plano de poupança em ações no valor de 171 mil euros, e “participações diretas” em várias empresas, como a Française des Jeux ou a Natixis.

No Governo francês desde julho de 2020, Griset foi o primeiro ministro a comparecer perante um tribunal criminal, que o condenou a seis meses de prisão suspensa e a uma pena de três anos sem poder ser eleito para cargos públicos.

A moralização da vida política em França tinha sido um dos grandes projetos de Emmanuel Macron, eleito Presidente em 2017, após uma campanha marcada por escândalos judiciais. No mesmo ano, o parlamento aprovou uma lei sobre o assunto.

Ao pronunciar o seu acórdão, o tribunal considerou que Griset tinha “optado por ocultar uma parte substancial dos seus bens” e apontou dois elementos agravantes: os fundos em questão estavam depositados num banco francês e ele “mostrou uma verdadeira vontade de ocultar”.

Perante os seus juízes, Griset, de 68 anos, defendeu-se alegando “um desleixo” e rejeitando qualquer “desonestidade”.

“Em nenhum momento quis enganar, roubar ou esconder nada. Quando se tem a oportunidade de ser ministro, não se desperdiça essa oportunidade tentando esconder algo que era tão visível”, disse.

O advogado do ministro, Patrick Maisonneuve, anunciou que vai recorrer da condenação.

Recomendadas

Guterres manifestou a embaixador russo oposição a anexação de territórios

Antes, António Guterres alertou a Rússia que a anexação de territórios ucranianos “não terá valor jurídico e merece ser condenada”, frisando que “não pode ser conciliada com o quadro jurídico internacional”.

Brasil. Equipa assegurará “perfeita realização” das eleições em Portugal

Paulino Franco de Carvalho Neto, secretário de assuntos multilaterais políticos do ministério, designado como Itamaraty, disse em conferência de imprensa no consulado-geral do Brasil em Lisboa que o ministro Carlos França enviou uma equipa para acompanhar os serviços dos consulados em Portugal durante o ato eleitoral.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.
Comentários