Ministros dos Negócios Estrangeiros e das Finanças estão fragilizados, diz João Cotrim Figueiredo

As declarações de João Cotrim Figueiredo foram feitas à margem da VII Convenção Nacional da Iniciativa Liberal, que começa este sábado em Lisboa para eleger o seu sucessor na liderança.

Presidente do Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim Figueiredo | Foto: Cristina Bernardo

João Cotrim de Figueiredo, que deixa hoje a liderança da Iniciativa Liberal (IL), considera que as várias polémicas estão a deixar à vista uma desagregação no Governo, considerando que João Gomes Cravinho, atual ministro dos Negócios Estrangeiros e antigo ministro da Defesa, e Fernando Medina, ministro das Finanças, estão fragilizados.

Para Cotrim de Figueiredo, o problema não está em Pedro Nuno Santos, que já saiu do Governo, apesar de o até agora presidente da Iniciativa Liberal considerar que, “com certa leviandade diz que andou a ver mensagens e agora é que se lembrou que houve um pequeno pormenor de 500 mil euros” de indeminização paga a Alexandra Reis, disse à margem da VII Convenção Nacional da IL este sábado.

A questão central agora é “tudo o que passa” em torno do Governo, “incluindo o que afeta o próprio primeiro-ministro que não sabe o que se passa com um dos seus principais ministros e não sabia o que se passava na Câmara Municipal de Lisboa (CML)”, disse.

“Os ministros mais fragilizados são o [antigo ministro] da Defesa”, depois de se ficar a saber que assim que arrancaram as obras no antigo hospital militar de Belém, João Gomes Cravinho foi informado da derrapagem financeira, “e o ministro das Finanças que está envolvido nestas suspeitas” na CML. A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou que, na sequência das buscas na CML, foram constituídos seis arguidos. Medina ficou fora da lista.

“Os dois ministros estão de facto fragilizados”, frisou João Cotrim de Figueiredo, apontando para uma “desagregação no Governo”.

A VII Convenção Nacional da IL começa este sábado em Lisboa para eleger o sucessor de João Cotrim Figueiredo na liderança, na primeira vez na história do partido em que há disputa interna com mais de uma lista à direção. Rui Rocha e Carla Castro, deputados e membros da direção cessante, e o conselheiro nacional José Cardoso encabeçam as três listas que se apresentam à comissão executiva, disputando assim o lugar que João Cotrim Figueiredo decidiu deixar vago, provocando estas eleições antecipadas.

“O partido precisa de um novo ímpeto, de uma estratégia mais abrangente, mais combativa”, disse o até agora presidente do partido aos jornalistas, notando que “esta nova estratégia precisa de uma nova liderança”. Referiu ainda não ligar “muito às criticas” internas porque “são sobretudo de pessoas que ficaram desafetadas com aquilo que foi o seu futuro dentro do próprio partido”.

Notícia atualizada às 10:02

 

Relacionadas
João Cotrim de Figueiredo

Reunião magna para escolher quarto líder liberal começa hoje em Lisboa

Cerca de 2.300 membros – de um universo de seis mil – inscreveram-se para esta reunião magna de dois dias que decorre no Centro de Congressos de Lisboa. Serão estes militantes liberais que vão eleger os órgãos nacionais do partido no domingo, entre o quais a comissão executiva e, consequentemente, o novo presidente da Iniciativa Liberal.

TAP. Há uma “incapacidade crónica” do Governo lidar com a verdade, diz PSD

Em causa está o facto de o ex-ministro Pedro Nuno Santos ter admitido esta sexta-feira que autorizou a indemnização paga a Alexandra Reis.
Recomendadas

IL propõe lei para alterar o código do imposto sobre os veículos

A IL propõe que a taxa intermédia de ISV de 25% seja aplicável a todos os veículos híbridos com matrícula de qualquer Estado-membro da UE, sendo tributados à data da introdução no mercado europeu e não da data em que são introduzidos no território nacional

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira, 3 de fevereiro

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta sexta-feira.
TAP

“Ilegal”. Oposição espera que seja esclarecida legalidade do bónus à CEO da TAP

PSD, Bloco de Esquerda e Chega questionaram esta sexta-feira a legalidade do bónus que está previsto pagar à Christine Ourmières-Widener. O JE faz manchete com a notícia que o valor de até três milhões de euros não será devido.
Comentários