Minority Report é real: Já se prevêem crimes no Dubai

Polícia do Dubai conta desde este mês com o programa Crime Prediction, um aliado que parece retirado do filme de ficção científica Minority Report.

Trata-se de um software desenvolvido pela empresa Space Imaging Middle East (SIME) que se encarrega de desenvolver trabalhados de vigilância policial preventiva.

O software, o primeiro deste tipo na região, foi desenvolvido por iniciativa do conselho de Intelligence dos Emirados Árabes Unidos e concebido especificamente para complementar o trabalho das forças policiais do Dubai, que se encontram num processo de renovação.

O objetivo deste sistema informático passa por diminuir o número de crimes na cidade assim como ajudar a polícia a prevenir crimes antes que os mesmos sucedam usando tecnologias baseadas em Big Data.

“O sistema foi concebido baseado nas nossas experiências, especificações e informação. Existem programas similares usados noutro países mas não são exactamente iguais”, explicou o responsável do Departamento de Operações da Polícia do Dubai ao jornal Gulf News.

Recomendadas

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Grupo de direitos das mulheres apela à FIFA que exclua Irão do Campeonato do Mundo

“Por que a FIFA daria ao Estado iraniano e aos seus representantes um palco global, enquanto não apenas se recusa a respeitar os direitos humanos e dignidades básicos, mas atualmente está a torturar e matar o seu próprio povo?”, questionam na carta enviada ao representante do organismo.
Comentários