Mira Amaral pede investimento em ferrovia e ligações elétricas em vez de hidrogénio verde

Para o antigo ministro, é “paradoxal” o Governo estar preocupado em fazer ligações “quando o hidrogénio verde ainda não é produzido em Portugal, há apenas projetos de demonstração”, ao passo que a ferrovia não permite exportações eficientes para o resto da Europa.

A ideia de um gasoduto de Sines à Alemanha não é economicamente competitiva com os terminais espanhóis nem tem capacidade para satisfazer uma parte substancial do consumo interno alemão, avisam Luís Mira Amaral e o Fórum para a Competitividade. Além disso, potenciais corredores verdes para exportar hidrogénio devem ser, neste momento, embrionários, dada a falta de maturidade desta tecnologia e a fase prematura dos projetos a ela associados.

Na nota de perspetivas empresariais do último trimestre de 2022, Luís Mira Amaral argumenta que os investimentos anunciados pelo primeiro-ministro são pouco adequados, devendo o Governo dar prioridade a ligações ferroviárias que permitam estimular as exportações já existentes da economia nacional e a reduzir o isolamento elétrico da Península Ibérica.

Para o antigo ministro, a capacidade do porto de Sines é limitada para fazer face às necessidades de consumo interno alemãs, não correspondendo a mais de um oitavo do total de gás natural consumido pela maior economia europeia. Assim, a possibilidade de mais ligações por gasoduto entre Espanha e França não são muito relevantes para Portugal, até porque o terminal de Sines não é competitivo face aos espanhóis, onde a capacidade por utilizar é substancialmente maior.

Por outro lado, no que respeita a hidrogénio verde, Mira Amaral retrata esta tecnologia como prematura, com poucos projetos existentes em Portugal e todos em fase de demonstração, pelo que não é compreensível a suposta aposta nesta solução.

“É verdadeiramente paradoxal estar o governo português preocupado já em assegurar condições para se exportar hidrogénio verde para a Europa chegando a um acordo com Espanha para as interligações, quando o hidrogénio verde ainda não é produzido em Portugal, há apenas projetos de demonstração”, expõe o antigo governante, não compreendendo a falta de investimento em ferrovia.

“Para a nossa indústria exportadora, onde há produto concreto que se exporta para a Europa, [o Governo] não se preocupa minimamente em fazer um acordo com Espanha para assegurar interligações de bitola europeia e condições de interoperabilidade entre as redes ferroviárias portuguesa e europeia que permitam o transporte competitivo das nossas exportações para a Europa por via ferroviária”, completa.

Por outro lado, ligações elétricas permitem “a oportunidade de exportar para a Europa os grandes volumes de energia sobrante que vamos ter com os vultuosos investimentos que se projetam em Portugal em parques eólicos offshore (10 gigawatt) e em energia fotovoltaica (8 gigawatt)”, remata.

Recomendadas

Novas reformas do Estado sobem para 1.538 euros

Só em 2022, cerca de 16 mil funcionários apresentaram a reforma, um aumento de 8,2% face aos dados de 2021.

Fisco arrisca devolver milhões da taxa rodoviária (com áudio)

A CSR foi declarada ilegal em 2022 pela justiça europeia e um acórdão do centro de arbitragem abre a porta a que mais condutores exijam a devolução da taxa, segundo o “DN/Dinheiro Vivo”.

JE Bom Dia: Gomes Cravinho no Parlamento enquanto Disney apresenta resultados

Esta quarta-feira , o ministro João Gomes Cravinho vai ser ouvido no Parlamento sobre as obras do Hospital Militar de Belém. Em paralelo, o INE vai revelar como está a evoluir o mercado de trabalho nacional.
Comentários