Mísseis russos terão atingido a Polónia. Dois mortos confirmados

🔴 Em direto. Mísseis russos terão ultrapassado a fronteira da Polónia – um país da NATO – e provocado pelo menos dois mortos, avança a ‘Associated Press’. Países-membros da NATO já começaram a reagir.

Imagens do local da explosão na Polónia (via Twitter)

🔴 Em atualização

20h02 Defesa russa nega ataque à Polónia

O ministério da Defesa russo reagiu em comunicado, negando que mísseis russos tenham atingido a Polónia.

As notícias não passam de “uma provocação intencional com o objetivo de conseguir uma escalada” do conflito, aponta a Defesa russa.

20h00 Rússia fala em “provocação polaca e britânica” e “erro ucraniano”

A editora do jornal “Russia Today” considera as notícias vinda da Polónia fruto de um “erro ucraniano” e acusa a Polónia e o Reino Unido de “provocação”. A jornalista reagiu aos relatos no seu canal de Telegram, segundo publica o jornal ucraniano Nexta TV.

19h53 O que diz o Artigo 5.º da NATO

O Artigo 5.ª do tratado da NATO determina que “se um aliado da NATO for vítima de um ataque armado, todo e cada um dos membros da Aliança devem considerar este ato de violência como um ataque armado a todos os membros e devem tomar as ações que considerarem necessárias para apoiar o Aliado atacado”.

Já o Artigo 4.º estabelece que os membros “irão reunir e determinar se, na opinião de qualquer um deles, a integridade territorial, independência política ou segurança de qualquer Aliado está ameaçada”.

19h48 A guerra na Ucrânia em números (Lusa)

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

19h42 Presidente da Lituânia reforça tónica de união da NATO

O presidente lituano reagiu no Twitter aos relatos de explosões na Polónia, reforçando que está a manter “um contacto próximo” com o país vizinho. O líder sublinha também aquela que tem sido a mensagem vinda dos países-membros da NATO: “Defender cada centímetro”.

 

19h29 Pentágono assegura defesa do território da NATO

Numa conferência de imprensa esta terça-feira, o porta-voz do Pentágono, Pat Ryder, acautelou que ainda não há evidências concretas sobre o que se terá passado na Polónia. O general assegura que os Estados Unidos irão defender “cada centímetro de território da NATO”, em linha com o comentário do governo estónio.

O Artigo 5.º da NATO determina que um ataque a um país-membro é considerado como um ataque a todos os membros. Este artigo tem sido invocado e questionado ao longo dos últimos meses de conflito, à medida que o risco de uma escalada do conflito na Ucrânia se adensa.

19h25 Explosões em Przewodów poderão ser colaterais de resposta ucraniana

O jornalista polaco Mariuz Gierzweski, da rádio ZET, admite que a explosão que causou pelo menos dois mortos poderá ter sido provocado por uma resposta ucraniana a mísseis russos.

“As fontes que tenho nos serviços [de informação] dizem que o que atingiu Przewodów foram provavelmente restos de um ‘rocket’ abatido pelas Forças Armadas ucranianas”, escreve o jornalista que avançou a notícia esta tarde.

19h21 Governo polaco pede contenção nas informações

O porta-voz do governo polaco, Piotr Müller, já reagiu a pedir que não sejam publicadas informação “não confirmadas”.

“Em relação à situação de emergência, o primeiro-ministro Morawiecki, juntamente com o presidente Duda, ordenou que fosse realizada uma reunião do Comité Nacional de Segurança e Defesa”, diz num tweet.

19h14 Estónia preparada “para defender cada centímetro” do território da NATO

Num tweet publicado esta tarde, o ministério dos Negócios Estrangeiros da Estónia escreve que os relatos são “preocupantes”, mas assegura que o país está “preparado para defender cada centímetro do território da NATO” e que está “totalmente solidário” para com a Polónia.

19h02 Mísseis russos atingem Polónia. Dois mortos confirmados

Mísseis russos terão ultrapassado a fronteira da Polónia e atingido o território do país – que integra a NATO – e causado duas mortes, confirmou esta terça-feira um alto funcionário dos serviços de informações dos Estados Unidos, citado pela Associated Press (AP).

Um porta-voz do governo polaco não confirmou de imediato a informação avançada pela agência noticiosa, mas admitiu que os principais líderes estavam reunidos de emergência para encarar “uma citação de crise”, escreve a AP.

Segundo jornais polacos, terão morrido pelo menos duas pessoas esta tarde, depois de os mísseis terem atingido a zona agrícola de Przewodów, uma vila junto à fronteira com a Ucrânia (a cerca de 10 quilómetros).

Permanece por esclarecer se o incidente se deve à proximidade da vila ao país ocupado pelos russos ou se se trata de um escalar das tensões bélicas a leste.

Recorde-se que ao longo do conflito, que estalou em fevereiro deste ano, vários países-membro da NATO sublinharam que um ataque a um país da organização militar é um ataque a todos.

Recomendadas

Rússia colheu 949 milhões de euros em trigo ucraniano este ano, indica a NASA

A Rússia colheu cerca de mil milhões de dólares (949 milhões de euros) em trigo ucraniano desde o início do ano, o que corresponde a aproximadamente 5,8 toneladas deste cereal, segundo dados da NASA.

Ucrânia: OSCE necessária apesar de “prejudicada” pelo conflito, diz Josep Borrell

A OSCE “foi severamente prejudicada pela agressão russa contra a Ucrânia, que viola os princípios da organização”, disse Borrell, durante uma deslocação à cidade polaca de Brzeg (sul), onde visitou um centro de treino para soldados ucranianos.

Ucrânia: Comissão Europeia quer criminalizar subversão das sanções à Rússia na UE

“A Comissão Europeia apresenta hoje uma proposta para harmonizar as infrações penais e as penas pela violação das medidas restritivas da UE [pois], embora a agressão russa à Ucrânia ainda decorra, é primordial que as medidas restritivas da UE sejam plenamente aplicadas e que a violação dessas medidas não seja compensadora”, salienta a instituição em comunicado de imprensa.
Comentários