Misterioso desaparecimento nos EUA há 45 anos pode estar prestes a ser deslindado

No carro, os investigadores encontraram o que pensam ser ossos humanos, juntamente com os cartões de identificação e de crédito, pertencentes ao estudante desaparecidos.

Os investigadores descobriram o Pinto 1974, o carro de um estudante de 22 anos, que regressava à casa vindo da Auburn University em 1976. O carro de Kyle Wade desapareceu, alegadamente arrastado numa ribeira no estado de Alabama, EUA, e assim permaneceu durante 45 anos, revela a “CBSNews”.

No carro, os investigadores encontraram o que pensam ser ossos humanos, juntamente com os cartões de identificação e de crédito pertencentes a Wade, de acordo com o xerife James Woodruff do condado de Troup, Geórgia.

O Georgia Bureau of Investigation está a examinar o veículo em busca de ossos adicionais e determinará se os ossos encontrados até agora de facto pertencem a Wade.

As autoridades do condado de Troup já tinham declarado Wade como morto e, em 2005, prenderam duas pessoas com conexão ao seu desaparecimento depois dos pais de Wade terem recebido um telefonema de um homem que disse ter testemunhado alguém a enterrar o do seu filho quando sete anos depois de desaparecer.

As duas pessoas foram acusadas de fazer declarações falsas. Pete Skandalakis, que era promotor público na altura, disse que tomou a decisão de não indiciar uma dessas pessoas. O outro declarou-se culpado de duas acusações de fazer declarações falsas e passou sete anos e oito meses atrás das grades.

Recomendadas

São Tomé/Eleições: Observadores da CPLP dizem que votação correu “acima das expetativas”

No total, onze partidos e movimentos, incluindo uma coligação, concorrem este domingo aos 55 lugares da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe.

Bancos libaneses reabrem portas na segunda-feira só para serviços específicos

A decisão de reabrir, embora com limitações “a determinar por cada banco”, de acordo com a declaração da Associação Bancária, foi atribuída pela associação à “necessidade de garantir a continuidade dos serviços aos clientes” e de “assegurar os salários dos setores público e privado”.

Polícia usa gás lacrimogéneo para impedir manifestantes de chegar a embaixada do Irão em Paris

No sábado já tinha decorrido um outro protesto em Paris, na Place du Châtelet, que também contou com centenas de participantes.
Comentários