MNE espera que conferência da ONU dê “ímpeto decisivo” para mudar relação com o mar

A posição foi transmitida na cerimónia de hastear da bandeira das Nações Unidas (ONU), na Altice Arena, em Lisboa, assinalando a realização da segunda Conferência dos Oceanos da ONU, coorganizada pelos governos de Portugal e do Quénia.

epa09873787 Minister of Foreign Affairs of Portugal, Joao Gomes Cravinho, arrives at a special meeting of NATO’s Ministers of Foreign Affairs on the Ukraine Crisis in Brussels, Belgium, 06 April 2022. NATO Ministers of Foreign Affairs will attend a working dinner on the evening of 06 April, and a second day of meetings on 07 April. EPA/OLIVIER HOSLET

O ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, disse esperar que a Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, que arranca em Lisboa na segunda-feira, dê um “ímpeto decisivo” para transformar a relação com os oceanos.

A posição foi transmitida na cerimónia de hastear da bandeira das Nações Unidas (ONU), na Altice Arena, em Lisboa, assinalando a realização da segunda Conferência dos Oceanos da ONU, coorganizada pelos governos de Portugal e do Quénia.

Na cerimónia marcaram também presença o subsecretário-geral das Nações Unidas para os Assuntos Económicos e Sociais e secretário-geral da Conferência, Liu Zhenmin, e o ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva.

“Esperamos que a conferência dê um ímpeto decisivo para transformar a nossa relação com os oceanos”, afirmou João Gomes Cravinho, na intervenção que precedeu o momento em que foram hasteadas em simultâneo as bandeiras portuguesa e a da ONU.

O governante disse que o momento representa um marco histórico na cooperação entre a ONU e Portugal, sublinhando que a “promoção de uma gestão sustentável do oceano tem sido uma prioridade estratégica para Portugal”.

A segunda Conferência dos Oceanos da ONU, que a pandemia de covid-19 adiou de 2020 para este ano, vai reunir em Lisboa Estados-membros da organização, sociedade civil e organizações financeiras internacionais, entre 27 de junho e 01 de julho, contando com mais de 20.000 pessoas inscritas.

A comunidade internacional vai tentar dar impulso à adoção de “soluções inovadoras baseadas na ciência” para a gestão sustentável dos oceanos, incluindo o combate à acidificação da água, poluição, pesca ilegal e perda de ‘habitats’ e biodiversidade.

Recomendadas

PremiumRecuperação do emprego jovem “está atrasada”

O emprego jovem foi dos mais afetados pela pandemia e está agora a recuperar mais devagar do que a globalidade do mercado, avisa OIT. Economia verde traz oportunidades para estes trabalhadores.

PremiumCrise ameaça comércio, mas turistas podem ajudar

O comércio regressou aos níveis pré-pandemia, mas há agora novas pressões: a escalada dos preços e a energia. O futuro é incerto e os sinais atuais não geram otimismo, avisam economistas. Turistas podem, ainda assim, mitigar riscos, desde que “as coisas corram bem”.

Espanha quer avançar com gasoduto que fica a mais de 750 quilómetros de Portugal

Governo espanhol está empenhado num gasoduto que vai servir para enviar gás argelino para o norte da Europa, deixando Portugal e o porto de Sines para trás. Madrid em silêncio sobre terceira interligação entre Portugal e Espanha.
Comentários