Moçambique regista 9,4 milhões de casos de malária até setembro

Moçambique registou 9,4 milhões de casos de malária nos primeiros nove meses deste ano, um aumento em 20% comparado ao mesmo período de 2021, anunciou hoje o ministro da Saúde moçambicano.

“Só nos primeiros nove meses de 2022 foram registados 9,4 milhões de casos de malária, contra 7,8 milhões em igual período de 2021, representando um aumento de 20%”, disse Armindo Tiago durante uma reunião sobre o controlo da malária, em Maputo.

Segundo o governante, o aumento do número de casos deve-se ao “inevitável impacto das alterações climáticas” e ao “agravamento das condições ambientais que propiciam a multiplicação dos mosquitos”.

O ministro da Saúde considerou que o caminho para a eliminação da malária em Moçambique “ainda é longo”, alertando para o reforço das medidas de prevenção da doença na época chuvosa em curso, que pode aumentar o número de casos.

Segundo o relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) de dezembro de 2021, Moçambique é um dos seis países da África subsaariana em que se concentra mais de metade de todos os casos de malária no mundo: são eles Nigéria (27% dos casos mundiais), República Democrática do Congo (12%), Uganda (5%), Moçambique (4%), Angola (3,4%) e Burkina Faso (3,4%).

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários