Moçambique será pólo energético de África em matéria de gás natural

Omar Mithá, presidente da Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) de Moçambique, considerou hoje durante o encerramento da Mozambique Gas Summit que a produção de gás natural vai tornar o país num pólo energético de África.

Durante a conferência internacional sobre gás natural que terminou hoje em Maputo, Mithá admitiu que as enormes reservas de gás natural que têm vindo a ser descobertas no país geram um potencial apto a suprir o défice energético na África Austral.

“O défice energético na África Austral está estimado em cerca de 50 mil megawatts e Moçambique vai jogar um papel importante na supressão desse défice, através da geração de energia elétrica a partir do gás natural”, salientou o presidente da ENH.

Segundo informação adiantada pela Lusa, o responsável adiantou ainda que a construção de infra-estruturas de produção e transporte de gás, nomeadamente portos e gasodutos, também irá reforçar o papel de Moçambique como um centro logístico da África Austral.

Mithá reforçou ainda que o setor do gás pode não estar a ser apetecível neste momento, “mas, no médio prazo, a localização geoestratégico de Moçambique fará do seu gás natural um elemento muito importante”.

Ainda no decorrer do evento, o presidente da ENH salientou que espera que o consórcio liderado pela multinacional norte-americana Anadarko que detém a concessão da Área 1 da Bacia do Rovuma, norte de Moçambique, anuncie a decisão final de investimento ainda este ano, seguindo o exemplo do consórcio liderado pela multinacional italiana ENI.

De realçar que a ENI já tinha comunicado ao Governo moçambicano a decisão de avançar com o investimento no desenvolvimento do projeto de produção de gás natural liquefeito na Área 4 da Bacia do Rovuma, aguardando pela posição dos seus parceiros, incluindo a portuguesa Galp.

Os consórcios da Anadarko e da ENI descobriram reservas de gás natural superiores a 80 de pés cúbicos nas áreas 1 e 4 da Bacia do Rovuma.

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários