Moderados vs agressivos: que fação vai vingar no BCE? Veja o “Mercados em Ação”

Christine Lagarde está emparedada entre duas fações no conselho do BCE, o principal órgão de decisão do regulador. Nesta edição, Filipe Garcia, economista da IMF, analisa este e outros temas quentes que marcaram o dia a dia dos mercados financeiros.

As duas fações do conselho do Banco Central Europeu (moderados vs agressivos) têm visões opostas quanto à política monetária no “Velho Continente”. Resta saber qual vai vingar.

Nos EUA, espera-se que a Fed já equacione o corte das taxas de juro; na Europa, o problema energético parece ser menos complicado do que se perspectivava e na China, o fim da política Covid Zero pode trazer uma nova pujança à economia.

André Cabrita-Mendes, jornalista do JE, e Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, analisam estes temas com Filipe Garcia, economista da IMF – Informação de Mercados Financeiros.

No “Mercados em Ação”, programa da plataforma multimédia JE TV, vai poder contar com a análise de especialistas em temas como ações e obrigações; investimento e poupança; BCE e FED; resultados e empresas; análises e gráficos.

Fique a par de toda a informação sobre as últimas novidades dos bancos centrais, de como fazer investimentos e poupança e de resultados e empresas.

Recomendadas

Governo diz que concurso internacional para SIRESP permitiu economizar 30% da despesa prevista

As empresas vencedoras do concurso público internacional foram a Motorola, NOS, OMTEL, No Limits, Moreme e Altice Labs.

“Valorização dos salários é crítica”, reconhece ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

Ana Mendes Godinho garante que o governo continuará a implementar medidas suplementares para a valorização do salário e, nesse sentido, anunciou que já em março vai ser lançada uma iniciativa dirigida às empresas que contratem jovens com contratos permanentes e um valor mínimo de 1.320 euros de vencimento. As empresas serão apoiadas pelo Estado no pagamento desse vencimento.

Descida da inflação permite corte de 2,5% em Angola

A consultora Oxford Economics Africa considerou este sábado que a descida da inflação para 12,2% durante este ano dará espaço ao banco central de Angola para descer a taxa de juro para 250 pontos base.
Comentários