Modernização da linha de Cascais vai custar 36 milhões de euros

Está aberto o concurso da Infraestruturas de Portugal que visa modernizar a linha de Cascais. Obra envolve a migração do sistema de eletrificação para permitir harmonizar as condições de exploração com o resto da rede ferroviária nacional e reduzir anualmente em mais de um milhão de euros os custos de energia suportados pela CP.

Cristina Bernardo

A Infraestruturas de Portugal (IP) abriu um concurso público internacional para a modernização da via e catenária da linha de Cascais.

Num comunicado divulgado esta segunda-feira, o IP explica que a “intervenção integra o projeto de modernização e requalificação integral da Linha de Cascais, cofinanciado pelo POSEUR no âmbito do Portugal 2020”, e tem como objeitvo “aumentar a sustentabilidade económica e ambiental, bem como a eficiência do serviço ferroviário, de modo a incentivar a utilização do transporte público por parte dos milhares de pessoas que diariamente se deslocam para Lisboa”. O projecto vai contar com um investimento de 36 milhões de euros.

No âmbito da empreitada, o IP esclarece que está prevista a migração do atual sistema de eletrificação – de 1500 V para 25 kV -, o que permite harmonizar as condições de exploração desta linha com o resto da rede ferroviária nacional e reduzir anualmente em mais de um milhão de euros os custos de energia suportados pela Comboios de Portugal (CP) com a operação do serviço.

A implementação de sete novas diagonais de contravia, alterações de layout nas estações de Oeiras e Cascais e a criação de uma nova ligação ao Parque de Material de Carcavelos, são outras das intervenções previstas nesta obra.

Além da catenária e via, cujo concurso está já em curso, o investimento na modernização da linha de Cascais vai envolver a também energia de tração, incluindo a construção de nova subestação de tração em Sete Rios (uma empreitada que está em contratação),  sinalização eletrónica e ainda a implementação de sistemas de videovigilância.

O investimento global na linha de Cascais vai ainda envolver a beneficiação de estações e apeadeiros, intervenções em passagens de nível e nos atravessamentos, assim como a supressão da passagem de nível rodoviária de São João, última passagem de nível rodoviária ainda em funcionamento na linha de Cascais , estando em ambos os casos os projetos em elaboração.

“Um projeto de grande importância cuja concretização, aliado à aquisição de novos comboios para os serviços suburbanos que a CP está a promover, irá reforçar e melhorar substancialmente a oferta de transporte público, potenciando o crescimento da procura e a maior sustentabilidade económico-financeira do sistema ferroviário na região de Lisboa”, diz a IP na mesma nota.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.

Governos podem precisar de taxar empresas de energia para ajudar os mais pobres, diz CEO da Shell

O presidente executivo da Shell considera que o mais importante é “proteger os mais pobres” e como tal os governos podem vir a precisar de taxar empresas de energia. “Há uma discussão a ser feita sobre isso, mas acho que é inevitável” a necessidade de intervenção, considerou.
Comentários