Moldávia atravessa “momento muito perigoso”, alerta vice-primeiro-ministro

Nicu Popescu fala numa “perigosa deterioração da situação” nos últimos dias após várias explosões na região separatista de Transnístria.

A Moldávia atravessa um “momento muito perigoso” à medida que aumentam as tensões após uma série de explosões na região separatista da Transnístria esta semana, alertou esta quinta-feira o vice-primeiro-ministro do país.

Segundo Nicu Popescu, citado pelo “The Guardian”, o governo moldavo fala numa “perigosa deterioração da situação” nos últimos dias, após ataques com granadas ao “Ministério da segurança” em Transnístria ocorridos na segunda-feira.

Os ataques com granadas representam “um novo momento muito perigoso na história da região”, disse o governante, acrescentando que as instituições da Moldávia tinham sido colocadas em alerta máximo.

Crescem os receios de que a Moldávia e a Transnístria possam ser arrastadas para o conflito na Ucrânia, dado que a região é predominantemente russófona e tem sido controlada por separatistas pró-Rússia desde 1992, após uma curta guerra, quando Moscovo interveio do lado dos rebeldes.

Na semana passada, um alto comandante russo disse que ganhar o controlo sobre o sul da Ucrânia ajudaria a Rússia a ligar-se à Transnístria, que partilha uma fronteira de 453 km com a Ucrânia.

“A nossa análise até agora mostra que existem tensões entre diferentes forças dentro da região interessadas em desestabilizar a situação e isso torna a região da Transnístria vulnerável e cria riscos para a República da Moldávia”, disse Popescu.

Segundo Popescu, que é também Ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldávia, as autoridades da Transnístria anunciaram na semana passada que estavam a impedir todos os homens em idade de combate de saírem da região.

Ao que tudo indica, a Moldávia tem garantias públicas e privadas de Moscovo “de que a Rússia continua a reconhecer a integridade territorial da Moldávia”.

O governo moldavo decidiu convocar de emergência o seu conselho de segurança, após terem sido registadas várias explosões na região separatista da Transnístria — não reconhecida internacionalmente, mas que conta com o apoio do Kremlin.

Na terça-feira, várias explosões danificaram antenas da era soviética que transmitiam estações de rádio russas na região separatista da Transnístria, levando a presidente moldava, Maia Sandu, a convocar uma reunião de emergência do conselho de segurança do país.

As autoridades moldavas estão sensíveis a qualquer sinal de crescente tensão na Transnístria, especialmente desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, devido à proximidade com a fronteira ucraniana.

A Rússia mantém, em regime de permanência, tropas na Transnístria desde o colapso da União Soviética.

Recomendadas

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

Europa devia olhar para África para reduzir dependência do gás russo

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento.

Rússia testa míssil hipersónico que Putin considera “invencível”

O míssil Zircon foi disparado da fragata Almirante Gorshkov no Mar de Barents contra um alvo nas águas árticas do Mar Branco, segundo informações avançadas pelo Ministério da Defesa russo num comunicado citado pela agência de notícias France Presse (AFP).
Comentários