Moldova pede apoio da Roménia e Ucrânia para se defender de mísseis russos

As autoridades da Moldova solicitaram à Roménia e à Ucrânia que monitorizem e protejam o seu espaço aéreo, informou hoje o presidente da Assembleia Legislativa, Igor Grosu.

“A neutralidade não protege dos mísseis, mas deve ser defendida e, por isso, somos obrigados a defender o nosso espaço aéreo”, disse Grosu à rádio Chisinau.

“Beneficiámos de um programa da UE no valor de 40 milhões de euros, inclusive para isto [defesa do espaço aéreo]. Falamos também com os nossos parceiros ucranianos e romenos porque têm sistemas muito melhores”, disse Igor Grosu numa emissão televisiva do canal Jurnal.

Qualificando o momento de “complicado”, Grosu referiu dois incidentes recentes, em que mísseis russos entraram no espaço aéreo moldavo, tendo um caído em Naslavcea, no norte do país, junto à fronteira com a Ucrânia.

A República da Moldova tem sido também alvo de ciberataques sem precedentes desde o outono passado.

“Nunca tivemos tal onda de ataques e não só a correspondência de autoridades foi alvo, mas sistemas informáticos inteiros. As nossas avaliações mostram que vieram da Federação Russa”, disse o chefe da legislatura moldava.

Grosu anunciou também que dará entrada no parlamento um projeto de lei sobre o Serviço de Informações e Segurança, que fornecerá ferramentas adicionais na luta contra a espionagem.

A República da Moldova está “cheia de espiões da Federação Russa”, disse Grosu, acrescentando que haverá novas emendas legislativas que irão endurecer as penas para crimes de traição e outros associados.

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários