Monkeypox. Número de infetados pelos vírus sobe para 153 em Portugal

Existem mais dez casos de Monkeypox em comparação à semana passada, diz a Direção Geral de Saúde (DGS). Os casos identificados encontram-se estáveis.

Science Photo Library

A Direção Geral de Saúde (DGS) confirmou, esta segunda-feira, que o número de casos infetados pela varíola dos macacos, também conhecida por Monkeypox, subiu para 153 desde a semana passada.

Em comunicado a DGS indica que “mais 10 casos de infeção humana por vírus Monkeypox em Portugal, havendo, até ao momento, um total de 153 casos”.

A maioria das infeções encontram-se em Lisboa e Vale do Tejo, mas a DGS diz que “também há registo de casos nas regiões Norte e Algarve”. Todos as infeções confirmadas Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge “são em homens entre os 19 e os 61 anos, tendo a maioria menos de 40 anos”.

A entidade liderada por Graça Freitas refere que “os casos identificados mantêm-se em acompanhamento clínico, encontrando-se estáveis” e garante que “continua a acompanhar a situação a nível nacional em articulação com as instituições europeias”.

A DGS recomenda aconselhamento clínico aos “indivíduos que apresentem erupção cutânea, lesões ulcerativas, gânglios palpáveis, eventualmente acompanhados de febre, arrepios, dores de cabeça, dores musculares e cansaço”. Estes sinais e sintomas geralmente duram entre duas a quatro semanas e desaparecem por si só, sem tratamento. Quem estiver infetado deve abster-se de contacto próximo com outras pessoas.

O Monkeypox foi pela primeira vez confirmado em Portugal a 18 de maio.

Recomendadas

Canábis: estudo revela riscos de consumo recreativo

Causa sérios riscos de hospitalização por problemas físicos e mentais, pelo que “não é tão positivo e seguro como se possa pensar”, diz o autor do estudo, professor assistente e investigador na Universidade de Toronto.

“Tudo o que falha no SNS é responsabilidade política da ministra”, diz Marta Temido

A ministra da saúde assumiu esta quarta-feira que “tudo o que falha” no Serviço Nacional de Saúde “é responsabilidade política da ministra”, pedindo desculpa por isso, mas lembrando que deve deixar melhores condições do que as que encontrou.

Novo Estatuto do SNS vai ser aprovado na próxima semana

Segundo Marta Temido, o novo estatuto do SNS tem soluções estratégicas, uma visão em termos de recursos humanos com a autonomia das contratações, com incentivos aos profissionais de saúde e com pactos de permanência.
Comentários