Monkeypox: OMS altera nome da doença para “mpox”

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alterou hoje o nome da doença “monkeypox” para “mpox” para evitar uma linguagem racista e estigmatizante como aconteceu quando o surto se expandiu no início do ano.

Science Photo Library

“Após uma série de consultas com peritos mundiais, a OMS começará a utilizar o novo termo “mpox” como sinónimo de “monkeypox”, afirma a OMS em comunicado.

Segundo a OMS, os dois nomes poderão ser utilizados simultaneamente durante um ano, período após o qual o nome monkeypox será eliminado.

“Isto serve para mitigar as preocupações levantadas pelos especialistas acerca da confusão causada por uma mudança de nome no meio de um surto global e também dá tempo para completar o processo de atualização da Classificação Internacional de Doenças e para atualizar as publicações da OMS”, adianta.

Segundo a organização, quando o surto de “monkeypox” se expandiu no início deste ano, “foi observada e comunicada à OMS uma linguagem racista e estigmatizante na internet, noutros contextos e nalgumas comunidades”.

“Em várias reuniões, públicas e privadas, vários indivíduos e países manifestaram preocupação e pediram à OMS que propusesse um caminho para alterar o nome”, sublinha.

A OMS, em conformidade com o processo de atualização da Classificação Internacional de Doenças, realizou consultas para recolher opiniões de uma série de peritos, bem como de países e do público em geral, que foram convidados a apresentar sugestões para novos nomes.

Vários órgãos consultivos foram ouvidos durante o processo de consulta, incluindo peritos dos comités consultivos médicos e científicos e de classificação e estatística, que constituíam representantes de autoridades governamentais de 45 países diferentes.

Com base nestas consultas, e em discussões posteriores com o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, a OMS recomenda a adoção do novo sinónimo “mpox” em inglês para a doença.

O termo “mpox” será incluído na lista oficial de doenças que a OMS irá atualizar em 2023.

De acordo com a OMS, as considerações para as recomendações incluíram a fundamentação, adequação científica, extensão do uso atual, pronúncia, uso em diferentes línguas, ausência de referências geográficas ou zoológicas, e a facilidade de recuperação de informação científica histórica.

Normalmente, o processo de atualização da Classificação Internacional de Doenças pode demorar até vários anos, mas neste caso o processo foi acelerado, embora seguindo as etapas padrão.

A OMS adotará o termo “mpox” nas suas comunicações e encoraja outros a seguirem esta recomendação, “para minimizar qualquer impacto negativo contínuo do nome atual e da adoção do novo nome”.

Desde o início do surto na Europa, que se estendeu a outros países como Estados Unidos, Canadá, Brasil, foram confirmados mais de 81.000 casos (55 dos quais fatais) em cerca de 100 países, entre os quais Portugal, com 948 casos

A OMS/Europa apoiou organizações da sociedade civil com informações e orientações durante todo o surto e com a divulgação de boas práticas, partilhando aprendizagens de países com estratégias de resposta criativas e eficazes, como a criação de uma equipa de resposta rápida em Portugal, que foi um dos primeiros países da Europa a dar sinais de estabilização da transmissão da doença.

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Mali. ONU lança apelo por 688 milhões de euros para ajudar 5,7 milhões de pessoas

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou hoje um apelo por 751 milhões de dólares (688 milhões de euros) para dar resposta às necessidades urgentes de 5,7 milhões de pessoas no Mali.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.
Comentários