Monkeypox. Quais os tratamentos e vacinas disponíveis?

Existem pelo menos duas vacinas e dois tratamentos eficazes no combate ao monkeypox que continua a somar casos por todo o mundo.

À medida que os casos de Monkeypox aumentam as diferentes autoridades de saúde procuram formas de conter os surtos. Conheça quais os tratamentos e vacinas disponíveis para controlar a varíola dos macacos que já soma mais de 200 casos confirmados e suspeitos por todo o mundo.

Vacinas 

Não existe uma vacina que tenha sido concebida exclusivamente para a varíola dos macacos, mas a vacina criada para combater o vírus da varíola humana é até 85% eficaz na prevenção do Monkeypox, segundo a Organização Mundial de Saúde citada pela “Reuters”.

Atualmente, existem duas vacinas contra a varíola disponíveis. Uma delas é produzida pela empresa dinamarquesa Bavarian Nordic, a Imvanex. A outra, mais antiga, é fabricada pela Emergent Biosolutions e chama-se ACAM2000.

A Imvanex contém uma forma enfraquecida do vírus, mas menos prejudicial do que os vírus que causam a varíola e o Monkeypox. Tem aprovação dos EUA quer para a prevenção da varíola humana como para a dos macacos. A aprovação da União Europeia (UE) é apenas para a varíola humana, mas a Bavarian já admitiu que procura aprovação também para o Monkeypox.

Já a ACAM2000 também contém o vírus, mas é infecciosa e pode replicar-se em humanos. Como resultado, o vírus pode ser transmitido do receptor da vacina para pessoas não vacinadas que tenham contato próximo com o local da inoculação. A vacina da Emergent Biosolutions tem aprovação dos EUA para pessoas com alto risco de infecção por varíola humana. Não tem autorização da UE.

Tratamentos

Os sintomas da varíola dos macacos – que incluem febre, dores de cabeça, erupções cutâneas distintas e lesões na pele – podem durar de duas a quatro semanas e geralmente desaparecem por conta própria.

Os pacientes infetados podem receber fluidos e tratamento para infecções bacterianas secundárias. Um agente antiviral chamado Tecovirimat que pertence à SIGA Technologies tem aprovação dos EUA e da UE para a varíola humana. A aprovação europeia também inclui a varíola bovina.

Outro tratamento remete para o medicamento Tembexa, desenvolvido pela Chimerix. O Tembexa conta com aprovação nos EUA para tratar a varíola, mas ainda não é garantido que ajude no Monkeypox.

Tanto o Tecovirimat quanto o Tembexa foram aprovados com base em estudos em animais que mostram que são provavelmente eficazes em humanos, porque foram desenvolvidos após a varíola ter sido erradicada através da vacinação em massa em 1980.

Recomendadas

Madeira teve 14.730 casos de Covid-19 e 55 mortes em junho

Desde o início da pandemia, a região confirma até ao final do mês de junho 132.614 casos por Covid-19 e 340 óbitos (que correspondem a 0,3% do total de casos confirmados). Os recuperados ascenderam a 130.184. Foram realizados 2792.255 testes à Covid-19.

“É preciso olhar para o sector como uma força de desenvolvimento económico”, diz responsável da BIAL

João Norte, da BIAL, pede que seja definida “uma visão agregadora” que permita atrair mais facilmente recursos humanos qualificados nesta área e investimento estrangeiro para a indústria farmacêutica nacional, que é “uma força de desenvolvimento económico” para o país.

“Portugal precisa que as empresas farmacêuticas façam cá os ensaios clínicos”, diz diretora-geral da Janssen

Filipa Mota e Costa acredita que a área dos ensaios clínicos poderia ser uma “oportunidade de desenvolvimento” para o país, que já tem a infraestrutura necessária, mas que falta organização e vontade política para tentar acompanhar países como Espanha.
Comentários