PremiumMontanha russa da bitcoin deixa investidores desorientados

Uma ‘guerra civil’ na tecnologia levou a fortes quedas no preço da bitcoin este mês, mas a tendência vem desde o início do ano e deve-se às dúvidas que ensombram o progresso das criptomoedas, dizem os analistas. Conselho em tempos voláteis: cautela.

Subida vertiginosa, seguida de queda a pique. Se há um ativo ao qual essa descrição de eventos assentou como uma luva nos últimos 12 meses foi a bitcoin. Há precisamente um ano, o preço da criptomoeda estava perto dos 10 mil dólares e a valorizar a passo tão acelerado que em poucos dias (a 16 de dezembro) iria duplicar para atingir um máximo histórico, ligeiramente abaixo dos 20 mil dólares. De repente, a bitcoin era tema de conversa no dia a dia, com investidores a exibirem nas várias apps nos smartphones quanto tinham lucrado.

Passado um ano, o tema de conversa é o inverso. Nas últimas duas semanas, a tendência de queda da bitcoin verificada ao longo do ano (embora aos solavancos), acentuou-se. Após várias semanas a negociar no patamar do seis mil dólares, o preço de uma bitcoin quebrou esse nível a 14 de novembro,  passados cinco dias caiu para baixo dos cinco mil dólares e, no dia 24, dos quatro mil dólares.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumAfegãos em Portugal, um ano de esperança

“As minhas expectativas aqui são aquelas que não pude ter do meu país por causa da guerra. Quero estar onde possa estudar, escolher a minha carreira, viver em paz”, diz Farkhunda. Histórias de refugiados que encontraram abrigo no nosso país.

PremiumXeque Tamim bin Hamad Al Thani contra o xeque-mate ocidental

A Europa é sempre apanhada de surpresa. No Qatar, como em Israel, como na Jugoslávia, como na Alemanha de 1939, como na Crimeia. E o pior é que é mesmo apanhada de surpresa.

PremiumVariedades portuguesas de azeite estão em risco de desaparecer

A campanha de apanha da azeitona de 2022 está quase a chegar ao fim. É certo que, apesar de a qualidade do azeite se ter mantido em níveis de excelência, registaram-se quebras significativas no volume de produção face à safra do ano precedente. Mas não é essa a maior dor de cabeça a apoquentar os produtores do sector que querem manter a sustentabilidade e a biodiversidade para preservar o futuro.
Comentários