Monte dei Paschi capta 1.900 milhões em duas ofertas de troca de dívida por capital

O banco ainda não teve manifestações de interesse de privados no aumento de capital. O banco italiano publicou um documento que actualiza a sua situação de liquidez e em que explica que se não conseguir o aumento de capital entra em dificuldades sérias nos próximos quatro meses.

O Banco Monte dei Paschi di Siena (MPS) captou 1.939 milhões de euros através de duas ofertas de conversão de dívida subordinada em ações, operação concluída hoje e especialmente destinada a pequenos subscritores, avança o El Economista.

Na sequência de uma reunião do Conselho de Administração, a empresa disse em comunicado que as adesões a esta troca voluntária ascenderam a 1.936.990 euros, embora estes ainda sejam dados provisórios.

A operação concluída nesta quarta-feira é a segunda fase de um programa de troca voluntária de dívida por capital que, na sua primeira fase, de 28 novembro a 2 dezembro, foi destinada a investidores institucionais e captou 1.057 milhões. Estas duas conversões de dívida estão integradas no plano de aumento de capital no valor global de 5.000 milhões de euros e que termina na quinta-feira às 14h00 locais.

O banco italiano está à procura de investidores privados para o restante aumento de capital, mas a instituição informou que até ao momento não recebeu manifestações de interesse de nenhum “investidor âncora” que esteja disposto a subscrever a maior fatia do aumento de capital e que com isso dinamize a entrada de outros investidores.

Os media especializados avançam que o fundo soberano do Catar, que ao princípio mostrou interesse em investir cerca de 1.000 milhões, terá desistido.

O resultado do aumento de capital  é considerado crucial para avaliar a necessidade de intervenção do Governo, que hoje, o Parlamento obteve permissão para a criação de um fundo de 20.000 milhões para ajudar bancos em dificuldades.

Recomendadas

Cáritas já recebe pedidos de quem não consegue pagar empréstimo da casa

“O pânico foi imediato. O receio das pessoas, a angústia com que se aproximavam de nós a dizer ‘ai, se eu perco a minha casa’. É que nós tivemos uma crise em que houve muita gente a perder a casa; é recente ainda, está na memória das pessoas – 2008”, afirmou Rita Valadas.

Luís Laginha de Sousa quer reafirmar caminho que tem sido feito pela CMVM

As linhas de atuação da nova administração do regulador de mercados, cuja cerimónia de tomada de posse decorreu esta segunda-feira no Ministério das Finanças, não significam “qualquer rutura com o caminho” seguido até agora, garante o novo presidente da CMVM que quer reforçar a articulação entre os supervisores.

Empréstimos à habitação continuam a abrandar, segundo Banco de Portugal

No final de outubro, o montante total de empréstimos para habitação era de 100,1 mil milhões. Outros dados do Banco de Portugal dão conta que o stock de empréstimos às empresas registou um valor de 76,2 mil milhões de euros, diminuindo 480 milhões de euros em relação ao mês anterior e registando uma taxa de variação anual de 1,1% (1,4% no mês anterior).
Comentários