Montenegro contra “irresponsabilidade e erro” de referendo sobre regionalização

O presidente do PSD criticou “o logro” que tem sido o processo de descentralização, cuja “responsabilidade é exclusivamente do Governo”.

O novo presidente do PSD, Luís Montenegro, considerou que um referendo sobre a regionalização em 2024, com a atual situação, será “uma irresponsabilidade, uma precipitação e um erro”, avisando que se o Governo decidir avançar será sozinho.

No encerramento do 40.º Congresso do PSD, Luís Montenegro começou por criticar “o logro” que tem sido o processo de descentralização, cuja “responsabilidade é exclusivamente do Governo”.

Quanto a um eventual referendo sobre a regionalização que o Governo prometeu para 2024, o novo presidente do PSD considerou que “não é adequado” devido à grave situação internacional e às consequências económicas e sociais muito sérias estão a atingir os portugueses.

“Fazer um referendo neste quadro crítico e delicado seria uma irresponsabilidade, uma precipitação e um erro. Os portugueses não compreenderiam. Tenhamos as noções das prioridades”, afirmou, recordando que com o início da guerra mudou o mundo e as prioridades e por isso “convém ter os pés bem assentes na terra”.

Montenegro deixou depois um aviso ao executivo de António Costa: “se o Governo pensar de modo diferente, tem todo o direito de avançar. Só que, nesse caso, avançará sozinho para a iniciativa de convocar um referendo em 2024”.

O presidente do PSD lembrou que o PS tem “uma maioria absoluta que lhe permite” fazer, mas não será com o aval ou cobertura do PSD.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Exoneração de embaixador português no Qatar é “rotação habitual”, diz MNE

O Ministério dos Negócios Estrangeiros justificou, esta quarta-feira, a exoneração do embaixador português no Qatar, António Alves de Carvalho, após declarações polémicas do chefe de missão no país, como um “procedimento habitual na carreira diplomática”.

PSD diz que incêndios “são problema político” a que Governo não dá “resposta à altura”

O PSD considerou esta quarta-feira que os incêndios são “um problema político” ao qual António Costa e o PS “não sabem, não estão a dar, uma resposta à altura” e acusou o Governo de ser “especialista em desresponsabilizar-se”.
Comentários