Montenegro diz a Costa que ainda “é a sua hora” mas ‘ameaça’ ir a Belém

O presidente do PSD disse hoje a António Costa que esta ainda “é a sua hora” de governar, mas avisou que quando entender que é o momento de interromper a legislatura irá fazer esse apelo ao Presidente da República.

Na abertura do Conselho Nacional do PSD, Luís Montenegro disse compreender quem se sente “frustrado, dececionado, defraudado” com o primeiro ano da maioria socialista, mas defendeu que só um partido irresponsável pediria um terceiro ato eleitoral em três anos.

“Dr. António Costa, esta é a sua hora, é hora de mostrar o que vale, não é hora de arranjinhos no parlamento com PCP e BE, não é hora de ir atrás de uma maioria absoluta que já tem, é hora de dizer que ainda é merecedor da tarefa que o povo lhe atribuiu e que ainda está a tempo de recomeçar a sua governação”, apelou.

No entanto, acrescentou, se “não estiver à altura da sua hora, o país terá mecanismos para poder atalhar caminhos”, defendendo que o PSD está “sempre preparado para eleições” e o líder do PSD “para ser primeiro-ministro”.

“No dia em que concluirmos que o Governo não tem condições para prosseguir, não vamos a correr ver quem chega primeiro, não vamos com manobras de diversão. Vamos ao senhor Presidente da República dizer por mais A mais B porque é que a realidade política e económica do país reclama a interrupção da legislatura”, afirmou.

Nessa altura, admitiu, o PSD até poderá apresentar uma moção de censura, “mas com consequências, porque queremos que o Governo caia”.

“Se queremos que haja um processo eleitoral, quem pode convocar? O Presidente da República”, afirmou, salientando que num quadro de maioria absoluta “não é no parlamento que este Governo vai cair”.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Banco de Portugal, APB, Concorrência e Deco chamados ao Parlamento

O requerimento para a audiência foi feito pelo PSD e hoje teve a aprovação dos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças (COF).

Cravinho e o custo das obras no hospital militar. “Não me surpreende que seja um pouco mais”

O antigo ministro da Defesa Nacional, agora ministro dos Negócios Estrangeiros foi interrogado na Assembleia da República pelos deputados de PS, PSD, Chega, IL, PCP e BE sobre a obra no antigo hospital militar de Belém, cujo custo foi muito além da estimativa inicial.
Comentários