Montenegro integra a Nato

A entrada do Montenegro na NATO foi aprovada. O primeiro alargamento em seis anos é considerado uma decisão história pela organização. Para a Rússia é uma “provocação”.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Aliança do Atlântico Norte vai crescer. Montenegro foi convidado a integrar a NATO, tornando-se o 29º membro da organização.

Este é o primeiro alargamento em seis anos, foi decidido esta quarta-feira em Bruxelas e anunciado pelo secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg.

A decisão, considerada histórica por uns, desagrada a Rússia que considera “uma provocação” a adesão daquela república (anteriormente parte integrante da Jugoslávia). Uma porta-voz da diplomacia russa, citada pelo jornal Público, refere que “este género de iniciativa é portadora de um grande potencial de confronto”.

Montenegro integra o programa de adesão à Nato desde o final de 2009 tendo entretanto preenchido os requisitos necessários no âmbito das suas forças aramadas. Fazem parte deste grupo de “aspirantes à aliança” outros países como a Macedónia ou a Bósnia.

O convite formal era já antecipado há uns meses e era dado como certo há algum tempo.

Para o o ministro montenegrino dos Negócios Estrangeiros, Igor Luksic, “é um grande dia para o meu país, que o merece”, lê-se no Público.

O processo de integração deverá prolongar-se por entre um ano e 18 meses, sendo que alguns diplomatas querem que país formalize a adesão em julho de 2016, em Varsóvia.

 

OJE

Recomendadas

Guiné Equatorial é o único regime autoritário entre lusófonos, aponta relatório

Relatório “Estado Global das Democracias”, elaborado pelo Instituto Internacional de Democracia e Assistência Eleitoral, não inclui nenhuma referência a São Tomé e Príncipe. Nas categorias Governo Representativo, Direitos Fundamentais, Controlo do Poder Executivo e Imparcialidade da Administração, Cabo Verde é entre os países de língua oficial portuguesa o mais bem classificado em todas, com exceção de Portugal.

Ucrânia: UE propõe tribunal especial para julgar “crimes horríveis” da Rússia

O anúncio foi feito hoje pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, numa mensagem difundida através da rede social Twitter, acompanhada de imagens vídeo da declaração.

António Costa e a maldição do sete. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.