Montenegro pede a Rio que faça a Costa o mesmo que fez com ele e Rangel

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro pediu hoje a Rui Rio que use com António Costa da mesma eficácia que teve com os seus adversários internos e vença as legislativas de 30 de janeiro.

Numa intervenção perante o 39.º Congresso do PSD, que terminou com um aplauso de pé, Montenegro admitiu concordar com Rui Rio de que o PSD poderá viabilizar Governos minoritários do PS, desde que António Costa também assegure o inverso.

“Eu queria-lhe dizer dr. Rui Rio, você já demonstrou cá dentro que consegue ser eficaz e aproveitar as oportunidades para ganhar eleições diretas. E eu que o diga e que o diga também o Paulo Rangel, a quem envio uma saudação amiga”, afirmou, referindo-se à condição de ambos de candidatos à liderança do PSD derrotados pelo atual presidente.

Por isso, apelou: “queremos que faça o mesmo ao dr. António Costa e ao PS”.

“Tem um partido todo consigo, vá em frente, Portugal precisa de nós, Portugal precisa de si”, afirmou.

Luís Montenegro desafiou ainda Rio a fazer o que chamou de “teste do algodão” a António Costa – de quem disse estar disponível para “fazer o frete” de governar mais dois anos, antes de se candidatar a Presidente da República.

“Esta é a questão central: se o PSD ganhar as próximas eleições e se o PSD formar governo sem maioria absoluta, está o PS disponível para viabilizar dois primeiros orçamentos do Estado?”, questionou.

Montenegro disse que até concorda com a disponibilidade já manifestada por Rio de viabilizar um eventual governo minoritário do PS, mas apenas com uma condição.

“O PS e António Costa têm de dizer antes das eleições que farão o mesmo connosco”, afirmou, considerando que, se assim não for, os eleitores de centro poderão achar que “é mais seguro” votar nos socialistas.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

CNE diz que propaganda política é “livre” e vê possível crime da Câmara de Lisboa

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) considera que a atividade de propaganda política é “livre” em locais públicos e que a retirada de ‘outdoors’ em Lisboa por parte da Câmara Municipal pode constituir crime.

“A habitação é um drama no nosso país”, alerta Bloco de Esquerda

Mariana Mortágua destacou, no Parlamento, que “constatar que a subida das taxas juros” na habitação está já a “fazer moça não é alarmismo é a nossa responsabilidade”.
Comentários