Montenegro e a possibilidade de consensos com o PS: “Só por hipocrisia”

O líder parlamentar do PSD salientou que “só por hipocrisia” o primeiro-ministro poderá voltar a procurar consensos com os sociais-democratas, sublinhando que, tal como o país, o Presidente da República poderá tirar as suas ilações.

“Caiu a máscara de facto, só por hipocrisia o primeiro-ministro e secretário-geral do PS pode voltar a colocar em cima da mesa o assunto de aproximar posições com o PSD e procurar consensos”, afirmou o presidente da bancada social-democrata, Luís Montenegro, em declarações aos jornalistas no parlamento, à saída da sessão plenária onde foi aprovado em votação final global a proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2017.

Assegurando que o PSD partiu de “peito aberto” para a discussão do OE, Luís Montenegro lamentou que os socialistas tenham chumbado todas as propostas apresentadas pelos sociais-democratas, deixando “a nu uma constatação que já vinha de trás”.

“É tudo conversa quando toca a falar em consensos e aproximação de posições, porque esses consensos o PS, por vontade própria, voluntária, consciente, quer fazê-los e estabelecê-los com o PCP e o BE”, sustentou, retomando o discurso do líder do partido na segunda-feira à noite, quando Pedro Passos Coelho apontou a aprovação do OE como o momento em que “cairá a máscara ao PS” e acusou os socialistas de não quererem qualquer entendimento que não passe pelo PCP e pelo BE.

Recomendadas

OCDE mais pessimista para 2023 vê economia da zona euro crescer 0,3% e inflação de 6,2%

Nas previsões económicas intercalares divulgadas hoje, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) revela-se mais otimista sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro deste ano, melhorando a estimativa em 0,5 pontos percentuais (pp.) face a junho, para 3,1%, mas cortou em 1,3 pp. a de 2023 para 0,3%.

OCDE mantém crescimento global deste ano de 3% mas corta o de 2023 para 2,2%

A OCDE manteve as perspetivas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial deste ano em 3%, prevendo que as economias do G20 cresçam 2,8% (menos 0,1 ponto percentual (pp.) do que em junho).

Juros da dívida sobem a dois, cinco e dez anos para máximos de mais de cinco anos

Às 08:40 em Lisboa, os juros a dez anos avançavam para 3,105%, um máximo desde agosto de 2017, contra 3,062% na sexta-feira.
Comentários