Montepio com lucro de 23,9 milhões nos primeiros nove meses do ano (com áudio)

O Banco Montepio registou nos primeiros nove meses do ano resultados líquidos consolidados de 23,9 milhões de euros, o que representa uma evolução favorável face aos prejuízos de 14,2 milhões no período homólogo de 2021.

Segundo a informação comunicada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o banco destaca a subida da margem financeira e das comissões, da redução dos custos operacionais em 16,1 milhões e das menores dotações para imparidades e provisões em 45,1 milhões.

“Não obstante os acréscimos das contribuições obrigatórias relacionadas com o setor bancário, com o Fundo de Resolução e com o Fundo de Garantia de Depósitos de, no agregado, 3,2 milhões”, acrescenta a entidade bancária num comunicado hoje divulgado.

Os resultados líquidos consolidados nos primeiros nove meses de 2022 incorporam, no terceiro trimestre, “um impacto estimado em -22,7 milhões de euros (depois de considerados os interesses que não controlam) do acordo assinado para a alienação da participação financeira detida pelo Grupo Banco Montepio no Finibanco Angola S.A.”.

Ainda assim – acrescenta -, “os resultados líquidos consolidados do trimestre foram positivos, confirmando a tendência favorável verificada nos últimos cinco trimestres”.

Na nota, o Montepio destaca ainda os cinco trimestres consecutivos com resultados líquidos positivos e o aumento do “produto bancário core” em 7,5 milhões de euros, face ao valor dos primeiros nove meses de 2021, com a margem financeira a crescer 1% e as comissões 7%.

O crédito a clientes (líquido de imparidades) aumentou para os 11,8 mil milhões de euros, 1,5% acima do valor registado em dezembro do ano passado.

Os depósitos de clientes totalizaram 12,9 mil milhões de euros, uma variação positiva de 1,8% face ao final de 2021.

No comunicado hoje divulgado, o Montepio diz ainda que o custo do risco de crédito se fixou em 0,1%, que compara com os 0,6% registados no período homólogo.

Sobre o ajustamento operacional, o banco aponta a redução dos custos operacionais de 16,1 milhões de euros (-8,5%), em resultado da diminuição dos custos com pessoal, dos gastos gerais administrativos e das depreciações e amortizações.

Refere ainda o encerramento de nove balcões face ao período homólogo de 2021 e do quadro de trabalhadores do Grupo Banco Montepio em 138 (-3,8%) face a 30 de setembro de 2021.

Recomendadas

Montepio aumenta para 1,25 mil milhões a emissão de obrigações hipotecárias que vencem em 2026

Na prática, é um reforço da emissão, mas em concreto o banco liderado por Pedro Leitão anuncia a ficha de uma nova emissão de 750 milhões de euros que são fungíveis com os 500 milhões já emitidos, pelo que no final a emissão total sobe para 1.250 milhões de euros.

“Falar Direito”. “Diploma da renegociação cria ónus sobre bancos que têm crédito à habitação”

O advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, explica quais são, na sua perspetiva, os dois principais problemas associados ao novo diploma relativo à renegociação de créditos.

Renegociação de créditos: o que muda com a nova lei? Ouça o “Falar Direito”

O advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, explica o que muda para consumidores e banca com a entrada em vigor do novo diploma relativo à renegociação de créditos.
Comentários