Montepio estima que crescimento económico abrande no 4.º trimestre

Os analistas antecipam que, no último trimestre de 2017, a economia “seja suportada tanto pela procura interna, em concreto pelo consumo privado e pelo investimento em capital fixo (FBCF), como pelas exportações líquidas”.

O crescimento económico deverá abrandar ligeiramente no último trimestre do ano, ao subir 0,4% face ao trimestre anterior, depois de um aumento em cadeia de 0,5%, estimam os analistas dos bancos Montepio e BBVA.

No Semanal de Economia e de Mercados divulgado hoje, o Montepio tem em consideração indicadores sobre construção, comércio externo e serviços para estimar que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça entre 0,3% e 0,5% em cadeia no último trimestre, “em ligeira desaceleração face aos 0,5% observados no terceiro trimestre”.

Os analistas antecipam que, no último trimestre de 2017, a economia “seja suportada tanto pela procura interna, em concreto pelo consumo privado e pelo investimento em capital fixo (FBCF), como pelas exportações líquidas”.

Já no observatório económico de dezembro, que também foi publicado hoje, o BBVA prevê que o crescimento no quarto trimestre se situe em cerca de 0,4% em cadeia, “consolidando uma certa estabilização em torno destes níveis após os fortes avanços de fins de 2016 e princípios de 2017”.

 

Relacionadas

BBVA estima crescimento em cadeia de 0,4% da economia portuguesa no quarto trimestre

O departamento de análise do BBVA indica que a aceleração do Produto Interno Bruto (PIB) nacional verificada no terceiro trimestre resulta de novos aumentos da procura interna, tanto do consumo privado como do investimento.
Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários