Montepio Geral: Associação Mutualista passa de prejuízos a lucros de 44,6 milhões

O presidente da associação mutualista , Virgílio Lima, destaca “o virar de página que foi, finalmente, alcançado ao longo do último ano e que permitiu recolocar o grupo no rumo do crescimento sustentado”.

Cristina Bernardo

A assembleia de representantes do Montepio Geral – Associação Mutualista aprovou esta quinta-feira o relatório e contas de 2021, no qual indica que a obtenção de resultados líquidos positivos de 44,6 milhões de euros, “que permitiram inverter a tendência de prejuízos registada nos últimos anos” – uma vez que comparam com resultados negativos de 17,9 milhões e de 408,8 milhões em 2020 e 2019, respetivamente.

Ao longo do ano de 2021, o Montepio Geral – Associação Mutualista “apresentou um conjunto de dados financeiros positivos”, refere a instituição em comunicado. A margem associativa da maior associação mutualista portuguesa cresceu 47,6 milhões de euros, situando-se em 120 milhões de euros, assim como também cresceu o número de associados (para 602 mil).

Consequentemente, refere a instituição, registou-se um aumento das receitas associativas em 24,3%, atingindo 680 milhões de euros, permitindo obter uma variação de 60,4% da margem associativa. “De realçar, por igual, o crescimento de 25% do valor médio por subscrição de modalidades de benefícios, para o montante de 724 euros”.

Ao mesmo tempo, os rácios de liquidez melhoraram (passando de 7,9% para 11%), acompanhados pelo crescimento do ativo (aumentou 4,8% face a 2020, atingindo 3.716,3 milhões de euros no final de 2021). Outro dado positivo a destacar é a recuperação em 82,2%, entre 2017 e 2021, dos ativos por impostos diferidos que se vêm registando desde 2017.

Da evolução das componentes do ativo é de realçar o aumento da carteira de títulos, com um valor de 549,2 milhões de euros, comparados com os 421,1 milhões de euros registados no final de 2020. “Esta evolução reflete uma variação homóloga de 30,4%, para o que contribuiu o novo investimento em obrigações de dívida pública, no montante de 87,6 milhões de euros, e de obrigações diversas, no montante de 42,9 milhões de euros”.

O documento revela ainda a simplificação e racionalização do grupo “com o objetivo de obter sinergias e o aumento de valor para o associado”, nomeadamente mediante a simplificação da área de negócio imobiliário – em dois anos passou de quatro entidades para uma única –, a recomposição da área de gestão de ativos – com a próxima fusão das duas sociedades gestoras de organismos de investimento coletivo e a liquidação da entidade In Posterum, ACE, que não tinha atividade.

A par desta simplificação e reorganização do grupo – que vai prosseguir –, as residências para estudantes passaram a contar com mais uma unidade, localizada em Braga, e as residências para seniores desenvolveram uma nova área de negócio, a Clínica de Saúde RM, recorda o comunicado.

Este crescimento da base associativa revelou uma inversão da tendência de perda de associados que se verificava desde 2015, iniciada já no último trimestre de 2020 e consolidada no ano de 2021.

Citado pelo comunicado, o presidente da Associação Mutualista do Montepio Geral, Virgílio Lima, destaca “o virar de página que foi, finalmente, alcançado ao longo do último ano e que permitiu recolocar o maior grupo mutualista português no rumo do crescimento sustentado. Arrumámos a casa ao longo do último mandato, compete-nos agora consolidar este caminho de forma sólida”, acrescenta.

Recomendadas

Julius Baer torna unidade de mercados independente

A Julius Baer Group, que em Espanha tem portugueses na equipa de gestão, está a criar uma divisão de mercados autónoma e para dirigir essa unidade escolheu Luigi Vignola.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.

ANJE com concessionária Norscut e Egis escolhem quatro propostas para melhorar autoestrada A24

O valor do prémio em concurso era de 30 mil euros, sendo atribuídos dois prémios por categoria – o valor do 1.º prémio era de 10 mil euros e do 2.º prémio de 5 mil euros.
Comentários