Montepio vende carteira de crédito malparado de 253 milhões de euros

Segundo o Banco Montepio o negócio “englobou 10.318 contratos registados em balanço e fora de balanço”.

O Banco Montepio vendeu uma carteira de crédito malparado com um valor bruto de 253 milhões de euros. Apesar da venda o banco aponta que “impacto estimado desta venda nos resultados será imaterial”.

Em comunicado a empresa sublinha que “no dia 29 de dezembro de 2021 e após um processo de venda competitivo, foi celebrada uma escritura pública de venda de uma carteira de créditos não produtivo, sob a forma de venda direta às entidades LX Investments Partners III, BTL IrelandAcquisitions II Designated Activity Company e BTLP Acquisitions I Unipessoal, Lda, sociedades validamente constituídas e regidas pela lei portuguesa e com sede em Portugal”.

“O montante bruto alienado foi de 253 milhões de euros, numa carteira que englobou 10.318 contratos registados em balanço e fora de balanço”, informa o Banco Montepio.

O banco liderado por Pedro Leitão sublinha que “o impacto estimado desta venda nos resultados do Banco Montepio será imaterial, representando, no entanto, uma importante redução das exposições não produtivas”.

No entanto, “no imediato, a transação contribui para um aumento de 3 pontos base no rácio de Capital Total do Banco Montepio, consolidando a estratégia encetada pelo Conselho de Administração de contínua redução de ativos não produtivos e de reforço dos rácios de capital”.

Relacionadas

Banco Montepio vende Montepio Valor à Associação Mutualista por 3,7 milhões

O impacto estimado da venda da Montepio Valor, controlada a 100% através da Montepio Holding SGPS, nos resultados consolidados do Banco Montepio e nos rácios de capital é nulo, assegura o banco liderado por Pedro Leitão.
Recomendadas

Caixa realiza Simulacro anual no edifício Sede

“O exercício teve a participação de 3 mil pessoas que se encontravam no edifício à hora do simulacro”, diz a CGD.  

Baluarte distinguida pela CFI como “Best Investment Management Team para Portugal”

A sociedade liderada por Pedro Silveira Assis “cumpriu os requisitos de acesso e apresentou (de acordo com o método ScorePME) um Índice de Desempenho e Solidez Financeira (IDS) Excelente, evidenciando uma Sustentabilidade Financeira acessível apenas a 5% das PME nacionais”, refere a Baluarte em comunicado.

BPI eleito “Banco do Ano 2022” pela revista The Banker

“O BPI tem a liquidez e o capital para continuar a apoiar a economia, a transição para a descarbonização, sem nunca esquecer o nosso compromisso com a banca responsável, num ambiente económico que requer um apoio especial aos mais vulneráveis”, refere o CEO.
Comentários