Moody’s: “Política monetária permanecerá altamente acomodatícia”

Vice-presidente da agência de notação financeira Moody’s, Madhavi Bokil, defendeu que o “momento da normalização da taxa de juros dependerá das perspectivas de crescimento”.

A vice-presidente da Moody’s, Madhavi Bokil, defendeu esta sexta-feira que a política monetária do Banco Central Europeu (BCE) continuará “acomodatícia” e que a normalização das taxas de juros depende do crescimento económico.

“Embora o Banco Central Europeu termine com as novas aquisições de títulos corporativos e soberanos no final deste mês, continuará a manter um grande balanço por algum tempo e a política monetária permanecerá altamente acomodatícia”, referiu Madhavi Bokil.

O BCE explicou esta quinta-feira que os reinvestimentos dos principais pagamentos de ativos adquiridos ao abrigo do Quantitative Easing vão ser feitos nas mesmas linhas gerais que conduziram esse programa de compras e que termina no final deste mês, mas sublinhou que vai manter um grau de flexibilidade para fazer eventuais adaptações.

O BCE já tinha confirmado que as aquisições líquidas no programa de compra de ativos da zona euro irão  terminar em dezembro de 2018, adiantando que Conselho de Governadores está a reforçar forward guidance sobre o reinvestimento, que pretende fazer por completo nos ativos que cheguem à maturidade, por um período extenso e para além de quando começar a subir as principais taxas de juro.

A vice-presidente da agência de notação financeira norte-americana defendeu que o “momento da normalização da taxa de juros dependerá das perspectivas de crescimento, que se deterioraram ligeiramente nos últimos trimestres ”.

Relacionadas

Nos reinvestimentos, BCE vai manter linhas gerais do programa de compras, mas há espaço para ajustes

Após terminar as compras líquidas de ativos no fim deste mês, o BCE continuar a reinvestir, seguindo as mesma linhas em termos de tipo de ativos e de país de emissão da dívida.

BCE corta projeções. PIB da zona euro deve crescer 1,9% este ano e 1,7% em 2019

Mario Draghi referiu que o ‘momentum’ do crescimento está mais lento, e alertou sobre riscos negativos como a ameaça do protecionismo, vulnerabilidades nos mercados emergentes e volatilidade nos mercados financeiros.
Recomendadas

OE2022. Pagamentos em atraso sobem para 778,1 milhões até agosto

Os pagamentos em atraso das entidades públicas atingiram os 778,1 milhões de euros em agosto, um aumento em 157,6 milhões de euros face ao mesmo período do ano anterior, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

OE2022. Receita fiscal do Estado aumenta 22,8% até agosto para 33,5 mil milhões

A receita fiscal do Estado aumentou 22,8% até agosto face ao mesmo período do ano passado, totalizando 33.511,5 milhões de euros, segundo a Síntese da Execução Orçamental divulgada esta segunda-feira.

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).
Comentários