Alterações climáticas vão prejudicar acesso de Lisboa e Porto ao crédito, diz a Moody’s

Tanto Lisboa como o Porto são classificadas como “muito expostas” aos fogos florestais e ao risco de seca.

As economias de Lisboa e Porto estão “altamente expostas” aos efeitos das alterações climáticas, segundo um estudo feito pela agência de notação financeira Moody’s, que considera que as duas cidades portuguesas terão maior dificuldade em aceder ao crédito.

No estudo “Climate change will pose increasing credit challenges for cities“, divulgado esta terça feira, a Moody’s propõe-se prever como as alterações climáticas vão condicionar 30 cidades europeias na obtenção de crédito financeiro.

Para medir o efeito, criou uma escala que vai desde a classificação “não está exposto” até “altamente exposto”. Os parâmetros de avaliação são as cheias, fruto de precipitação ou vulnerabilidade do aumento do nível da água do mar, fogos florestais e secas.

Tanto Lisboa como o Porto são classificadas como “muito expostas” aos fogos florestais e ao risco de seca. Quanto ao risco de cheias foram classificadas como “não expostas”.

“Das inundações costeiras no norte da Europa à escassez de água no sul, a mudança dos padrões climáticos pode alterar os perfis económicos e a força financeira das cidades”, disse Mauro Crisafulli, diretor-gerente associado da Moody’s e co-autor do relatório.

“Os riscos climáticos vão manifestar-se e perturbar a atividade econômica”, acrescentou.

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários