Moody’s: Exposição ao risco de litígio diminui na banca de investimento global

A maioria dos Bancos de Investimento Globais melhorou significativamente a capacidade de absorção de choques e aumentou a sua base de capital, reduzindo o risco financeiro de litígios pendentes, diz a Moody´s num relatório sobre a banca de investimento norte-americana e europeia.

O custo de litígios dos Bancos de Investimento Globais registaram uma redução nos últimos dois anos em relação ao pico do pós-crise, avança a Moody´s num research intitulado ““Global Investment Banks: Legacy litigation risks recede”.

Alessandro Roccati, vice-presidente sénior da Moody’s, assina em co-autoria esta análise que diz que a maioria dos Bancos de Investimento Globais dos EUA e da Europa já resolveram a maior parte de seus problemas legais.

“Os Bancos de Investimento Globais melhoraram significativamente sua capacidade de absorção de choques e aumentaram suas bases de capital, mitigando o risco financeiro de litígios pendentes “, diz a agência.

Os custos de litígio para os Bancos de Investimento Globais avaliados estão assim num processo descendente, avança a Moody´s.

Em 2016, as provisões dos Bancos de Investimento Globais para fazer face a riscos de litígio  somaram 19 mil milhões de dólares, quase metade dos 33 mil milhões de dólares registados em 2015, elevando as suas provisões contabilísticas totais de 2008 a 2016 para cerca de 273 mil milhões de dólares.

As provisões relacionadas com as obrigações hipotecárias  (residential mortgage-backed securities – RMBS) representaram cerca de metade do total das provisões para risco de litigância, seguido do mis-selling (vendas irregulares) e misrepresentation (falta de transparência), que pesa cerca de um terço.

Embora os bancos dos EUA tenham resolvido a maioria de seus casos jurídicos de larga escala, vários bancos de investimento globais europeus continuam expostos a um variado legado de litígios que apresentam risco extremo.

 

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários