Moody’s mantém rating da REN

De acordo com o relatório da Moody’s, a manutenção do rating reflete o facto de aquisição ser consistente com a estratégia incluída no Business Plan da REN 2015-2018.

A Moody’s manteve o rating da REN inalterado em Baa3 com o outlook estável na sequência do acordo anunciado pela REN para a aquisição de uma participação de 42,5% na empresa chilena Electrogas pelo valor de 180 milhões de dólares (172,4 milhões de euros).

De acordo com o relatório da Moody’s a manutenção do rating reflete o facto de aquisição ser consistente com a estratégia incluída no Business Plan da REN 2015-2018; e o sólido perfil de risco do negócio da Electrogas. Para além de refletir o facto de a REN ter flexibilidade financeira para incorporar esta aquisição e manter perfil financeiro consistente com o rating Baa3.

Esta manutenção do perfil de risco da Rede Elétrica Nacional já era esperada pelos analistas. Durante a conference call para apresentação do negócio a REN deu a indicação que não antecipava nenhuma alteração negativa do rating de crédito, diz o Caixa BI.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários