Moody’s melhora perspetiva da banca nacional de “estável” para “positiva”

A agência de rating melhorou a perspetiva do sector financeiro português para “positiva”. Melhoria de “outlook” surge numa altura em que os bancos nacionais continuam a reduzir o peso do crédito malparado.

A agência de notação financeira Moody’s melhorou a perspetiva do sector financeiro português de “estável” para “positiva”. Na base da avaliação está a redução do crédito malparado, numa altura em que os bancos portugueses estão a melhorar a rentabilidade e as condições de financiamento permanecem estáveis. Estes fatores, segundo a Moody’s, poderão contribuir para uma subida do “rating” das instituições financeiras portuguesas nos próximos 12 a 18 meses. As novas perspetivas para o sistema bancário constam no relatório sobre sistema bancário, divulgado nesta segunda-feira, 10 de dezembro.

Para Maria Vinuela, analista da Moody’, “o stock de ativos problemáticos vai continuar a diminuir, embora se mantenha elevado em comparação com o padrão europeu”. Segundo esta responsável, ainda assim, os atuais  níveis de cobertura  permitirão que alguns bancos realizem vendas de portfólio nos próximos meses, o que ajudará a aliviar o peso dos chamados empréstimos problemáticos. Uma tendência que se tem assistido nos últimos meses e que poderá levar o sector a fechar 2018 com vendas de non-performing loans (NPL) da ordem dos 3,5 mil milhões de euros.

Numa numa nota publicada pela agência esta segunda-feira é ainda avançado que, no final de Junho, o rácio de crédito em incumprimento situava-se nos 12,4%, abaixo dos 17,5% registados no mesmo período do ano passado. Segundo a Moody’s, apesar dos esforços, o rácio de NPL da banca nacional continua a ser dos mais elevados entre as maiores economias europeias. Isto porque,  os portefólios de crédito empresarial continuam a ser os que mais pesam na qualidade dos activos, com um rácio de NPL de 22,3% no final deste ano. Isto em comparação com 27,5% no ano passado.

Crescimento económico favorável

Para a Moody’s, embora o crescimento económico esteja a desacelerar, “permanecerá suficientemente forte para suportar um ambiente operacional estável”. A Moody’s espera que o crescimento desacelere para 2,1%  no fim de 2018 e para 1,7% em 2019.

“Os níveis de capital melhorarão, mas permanecerão relativamente fracos. Os bancos portugueses terão uma maior capacidade de absorver os custos de crédito na sequência da desalavancagem, do novo acesso e dos esforços de recapitalização”, acrescenta a agência de Nova Iorque. Contudo, frisa, “um grande volume de activos por impostos diferidos sobreavaliam o capital dos bancos portugueses, que continua a ser mais fraco face ao de outros sistemas bancários europeus”.

Recomendadas

A parceria que privilegia a economia social e as suas organizações ganha mais três anos

Daniel Traça, Dean da Nova SBE, e José Pena do Amaral, Consultor da Comissão Executiva e Membro da Comissão de Responsabilidade Social do BPI, explicam ao JE a originalidade da parceria Iniciativa para a Equidade Social, o que envolve e o que pretende alcançar. A parceria junta a Fundação “la Caixa”, o BPI e a Nova SBE.

Fundação ”la Caixa”, BPI e NOVA SBE renovam parceria de 2,2 milhões

Iniciativa para a Equidade Social vai prolongar-se por mais três anos, até 2024, segundo acordo assinado esta tarde na Nova SBE, em Carcavelos. A parceria tem como objetivo impulsionar o sector da economia social em Portugal, através de projetos de investigação e capacitação desenvolvidos por equipas académicas especializadas.

Bancários reformados avançam com “manif” para 6 de outubro e pedem fiscalização da constitucionalidade a Marcelo

Os sindicatos da banca filiados na UGT entregaram hoje ao Presidente da República o pedido de fiscalização sucessiva previsto na Constituição relativamente ao pacote legislativo de mitigação da inflação, atendendo à sua previsível inconstitucionalidade por não incluir a totalidade dos bancários reformados.
Comentários