Morais Leitão e Garrigues assessoram compra do Lx Factory

A sociedade de advogados da Rua Castilho apoiou a ‘joint venture’ constituída pela Europi e pela Arié Investimentos e o escritório ibérico esteve ao lado da Keys.

As sociedades de advogados Morais Leitão e Garrigues assessoraram juridicamente a aquisição de 100% do capital da KREP Portugal – SICAFI, proprietária do complexo imobiliário Lx Factory há cinco anos, pela joint venture constituída pela Europi Property Group e pela Arié Investimentos SGPS, que até então pertencia ao grupo francês Keys.

Apesar da compra do espaço multiusos de Alcântara, em Lisboa, tanto a Arié como o Europi Property Group dizem que “pretendem manter a identidade e património cultural únicos do Lx Factory, o qual continuará a destinar-se a escritórios, retalho e restauração, bem como a manutenção do seu look & feel [parece e sente-se] industrial”.

A equipa multidisciplinar da Morais Leitão – que esteve ao lado da joint venture – envolvida nesta transação foi liderada pelo sócio João Torroaes Valente, que lidera o departamento de Corporate, Imobiliário e Turismo no escritório. Do grupo de profissionais fizeram ainda parte João Fitas (associado principal), Marisa Larguinho (advogada sénior), Rui Ribeiro Lima (advogado sénior), Cláudia Castanheira dos Santos (consultora), Inês Ventura Salazar (associada), Maria Luísa Cyrne (associada principal), Maria do Carmo Leitmann (estagiária) e João Serra Baptista (estagiário).

Da Garrigues, que apoiou a Keys, o processo foi liderado pelos sócios Miguel Menezes Silva, da área de Imobiliário, e Marta Graça Rodrigues, de Societária e Regulatório, mas contou também com a participação da associada Laura Santana Falé (Imobiliário), do sócio Miguel Cortez Pimentel (Fiscal) e do associado sénior José Diogo Megre (Fiscal).

O processo de investimento foi gerido pela Bedrock Capital, mas o valor não foi revelado pelas empresas.

Em 2017, o grupo francês Keys Asset Management – que nunca havia investido em Portugal – comprou a Lx Factory à sociedade Mainside por considerar que existe rentabilidade do seu conceito. Já nesse ano o capital mobilizado não foi revelado pela empresa liderada por Cyril Garreau.

Notícia atualizada a 12-08-2022

Recomendadas

PremiumPorto Law Summit debate sociedades multidisciplinares

As sociedades multidisciplinares – formadas por advogados e outros profissionais – estão a chegar. O bastonário Luís Menezes Leitão, que se recandidata ao cargo, não está disponível para as aceitar.

Diferendo entre Ordem dos Advogados e Conselho de Deontologia de Lisboa volta “à estaca zero”

O despacho deixa o recurso apresentado em janeiro desse ano pelo bastonário, Luís Menezes Leitão, novamente por decidir, contrariando o próprio entendimento que esta 3.ª Secção do CS havia tido anteriormente.

Advogados do caso BES querem Supremo a decidir pela manutenção de Ivo Rosa no processo

Na terça-feira a providência 24/22, deu entrada no Supremo e ficou decidido como relator o juiz conselheiro Manuel Capelo, segundo a “TSF”.
Comentários