Morais Leitão assessora EDP na venda de défice tarifário à Tagus

A Tagus, a StormHabour e o Santander foram apoiados juridicamente pelo escritório de advogados Vieira de Almeida.

A Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados (MLGTS) assessorou a EDP na venda de créditos resultantes do sobrecusto com a produção em regime especial no âmbito da quinta operação de titularização de créditos Volta.

A equipa da MLGTS responsável pela assessoria à energética foi composta pelo sócio Ricardo Andrade Amaro (M&A e Energia) e pela associada Joana Alves de Abreu (Energia e Regulatório), de acordo com a nota enviada pela sociedade de advogados às redações.

A EDP vendeu à Tagus uma parcela do défice tarifário deste ano no valor de 584 milhões de euros, de acordo com o comunicado, datado de 22 de novembro, enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“A EDP Serviço Universal, S.A. (“EDP SU”), comercializador de último recurso do sistema elétrico português, detido a 100% pelo Grupo EDP, acordou ceder, de forma plena e sem recurso à Tagus — Sociedade de Titularização de Créditos, S.A. (“Tagus”), uma parcela do défice tarifário de 2017, no montante de 584 milhões de euros, e respetivos juros”, lê-se no documento da elétrica.

A Tagus, a StormHabour e o Santander – os dois últimos contratados para avaliar o interesse dos investidores na operação de titularização do défice tarifário relativo a 2017 – foram apoiados juridicamente pelo escritório de advogados Vieira de Almeida.

EDP vende 584 milhões de euros de défice tarifário de eletricidade à Tagus

Recomendadas

Diferendo entre Ordem dos Advogados e Conselho de Deontologia de Lisboa volta “à estaca zero”

O despacho deixa o recurso apresentado em janeiro desse ano pelo bastonário, Luís Menezes Leitão, novamente por decidir, contrariando o próprio entendimento que esta 3.ª Secção do CS havia tido anteriormente.

Advogados do caso BES querem Supremo a decidir pela manutenção de Ivo Rosa no processo

Na terça-feira a providência 24/22, deu entrada no Supremo e ficou decidido como relator o juiz conselheiro Manuel Capelo, segundo a “TSF”.

Empresas podem participar num estudo gratuito sobre clima organizacional até novembro

Em cada edição, o Índice da Excelência premeia as organizações que apresentam um melhor clima organizacional e que se destacam como organizações de excelência em Portugal. Para participar, as empresas terão de concluir a sua inscrição até ao final de novembro.
Comentários