Morcegos hibernam ou invernam? Para já, aborrecem autarcas

O presidente da Câmara de Torre de Moncorvo, Nuno Gonçalves, denunciou que o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) das minas de ferro está “parado” para apurar se os morcegos que habitam o local “hibernam ou invernam”. Em declarações à Lusa, o autarca social-democrata atribui a situação à posição que classificou de “preciosista” do Instituto de […]

O presidente da Câmara de Torre de Moncorvo, Nuno Gonçalves, denunciou que o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) das minas de ferro está “parado” para apurar se os morcegos que habitam o local “hibernam ou invernam”.

Em declarações à Lusa, o autarca social-democrata atribui a situação à posição que classificou de “preciosista” do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), que pretenderá averiguar se os morcegos permanecem no local ou se deslocam para outras paragens.

“Esta questão está a ser levada de tal forma, que o organismo em causa está a cair no ridículo e a tomar uma atitude demasiado preciosista face ao projeto em questão”, afirmou.

O autarca acusou o ICNF de dar “mais importância aos morcegos do que propriamente aos postos de trabalho que possam vir a ser criados com o projeto mineiro de Torre de Moncorvo”.

Para Nuno Gonçalves, “o que está em causa é uma questão de semântica, que pelos vistos faz toda a diferença num projeto que pode aumentar em 0,2 por cento o PIB (Produto Interno Bruto) nacional e em 0,26 por cento as exportações e que se mantém no impasse”.

As minas de Torre de Moncorvo foram a maior empregadora da região, na década de 1950, chegando a recrutar 1500 mineiros.

A exploração de minério foi suspensa em 1983, com a falência da Ferrominas, e o ferro esquecido até que a MTI – Minas de Ferro de Torre de Moncorvo, uma empresa de capitais nacionais e estrangeiros, ganhou, em 2008, os direitos de prospeção e pesquisa e, em 2011, foi-lhe atribuída pelo Governo a concessão de exploração durante 60 anos, até 2070.

Menos de um ano depois da atribuição da concessão, o Governo confirmava, em outubro de 2011, que estava a negociar com a detentora da concessão e o gigante anglo-australiano do setor mineiro Rio Tinto a exploração do ferro em Torre de Moncorvo, onde se estima existam 80 milhões de toneladas de minério.

A Rio Tinto saiu do processo e, um ano depois, a MTI- Ferro de Moncorvo assinou um contrato com o Estado para início da exploração experimental das minas, com a perspetiva de início para 2016, a criação gradual de até 500 postos de trabalho e um investimento de 600 milhões de euros ao longo do período de concessão.

Recomendadas

Ministro britânico defende plano fiscal apesar de reação dos mercados

O ministro das Finanças do Reino Unido, Kwasi Kwarteng, defendeu o anunciado plano fiscal com grandes cortes de impostos, que provocou instabilidade nos mercados financeiros, dizendo que não havia outra escolha para combater a inflação.

Leão vê PIB a crescer acima de 6% este ano e desaceleração em 2023

O antigo ministro das Finanças João Leão acredita que o crescimento do PIB português poderá superar 6% este ano, mas aponta para uma desaceleração em 2023, com uma estagnação ou mesmo recessão na zona euro, defendendo uma estratégia prudente.

Respostas Rápidas: como pode aceder ao complemento solidário para idosos ou outras pensões?

A propósito do Dia Internacional do Idoso e dado o envelhecimento cada vez maior da sociedade portuguesa, importa compreender como podem os contribuintes aceder a vários apoios disponibilizados pela Segurança Social.