Morgan Stanley e Bestinver passam a ter menos de 2% na PT SGPS

A Morgan Stanley e a Bestinver passaram a ter participações inferiores a 2% na PT SGPS, deixando de ter participações qualificadas, anunciou empresa em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). O banco de investimento norte-americano Morgan Stanley detém agora 16.687.308 ações ordinárias representativas de 1,86% do capital social e respetivos direitos de […]

A Morgan Stanley e a Bestinver passaram a ter participações inferiores a 2% na PT SGPS, deixando de ter participações qualificadas, anunciou empresa em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O banco de investimento norte-americano Morgan Stanley detém agora 16.687.308 ações ordinárias representativas de 1,86% do capital social e respetivos direitos de voto da PT SGPS, depois de transações em mercado regulamentado e fora de mercado regulamentado, realizadas a 31 de outubro.

No mesmo dia, a gestora de fundos Bestiver também alienou ações representativas de 0,15% do capital, passando a deter um total de 17.771.945 ações ordinárias da PT SGPS, representativas de 1,98% do capital social e dos correspondentes direitos de voto.

A PT SGPS tem neste momento apenas como únicos ativos a posição de 25% na operadora brasileira Oi e um crédito sobre a Rioforte, do Grupo Espírito Santo, ligeiramente inferior a 900 milhões de euros.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.