Morreu ex-ministro das Corporações e Segurança Social Joaquim Silva Pinto

Nascido em Lisboa, Joaquim Dias Silva Pinto, que completaria 87 anos em 6 de julho próximo, desempenhou diversos cargos públicos da área do trabalho, segurança social, reforma administrativa e obras públicas, tendo sido também administrador de várias empresas.

O ex-ministro das Corporações e Segurança Social Joaquim Silva Pinto faleceu hoje, aos 86 anos, cerca das 12:00, em Lisboa, indicou fonte da família à agência Lusa.

Nascido em Lisboa, Joaquim Dias Silva Pinto, que completaria 87 anos em 06 de julho próximo, desempenhou diversos cargos públicos da área do trabalho, segurança social, reforma administrativa e obras públicas, tendo sido também administrador de várias empresas.

Na década de 1970 foi ministro das Corporações e Segurança Social, secretário de Estado do Trabalho e Previdência, e responsável pelo Secretariado Nacional da Emigração.

No final dessa década e na seguinte, Joaquim Silva Pinto foi gestor de empresas privadas em Espanha, presidente do conselho diretivo da Câmara Hispano portuguesa de Comércio e Indústria, com sede em Madrid, e gestor de empresas privadas em Portugal como a Lusoceram, Previdente, Grão-Pará e Fitor.

Em 1991 aderiu ao Partido Socialista por proposta do secretário-geral Jorge Sampaio, e foi responsável pelo Fórum PS aberto a Independentes, ocupando lugar como deputado à Assembleia da República pelo círculo de Faro entre 1992 e 1995, e como presidente da subcomissão Parlamentar de Comércio e Turismo.

Entre 1999 e 2007, Silva Pinto foi gestor ou consultor de empresas como a Brisa, Nokia Portugal, PayShop, 3MPortugal, Telcabo, entre outras.

Na década de 1960 foi secretário-geral da Corporação da Indústria, colaborador da Associação Industrial Portuguesa (AIP), membro do grupo de apoio à representação portuguesa na Organização Internacional do Trabalho (OIT), e participante ativo nos trabalhos preparatórios do Plano Intercalar de Fomento, enquanto também professor do Instituto de Serviço Social.

Joaquim Silva Pinto coordenou os trabalhos preparatórios do III Plano de Fomento e interveio na criação do Secretariado da Reforma Administrativa, foi subsecretário de Estado das Obras Públicas no primeiro Governo de Marcelo Caetano, e participante na denominada Primavera Marcelista.

Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, também foi professor universitário, regendo cursos de organização de empresas e de relações industriais, além de ter ocupado o cargo de vice-presidente da AIP nos anos 1990, e foi fundador do Núcleo Empresarial de Lisboa.

Silva Pinto é autor de livros como “Do pântano não se sai a nado” (2014), “Portugal – Desalento e esperança” (2015) e “Vale a Pena Não Ter Medo” (2016), entre outras obras.

Recebeu a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo, a Medalha de Oiro da AIP, e a Medalha de Mérito da Associação Ibero-americana de Câmaras de Comércio.

Recomendadas

Plataforma critica ministro da Cultura por visitar tourada

A Basta de Touradas diz que é com “profunda indignação que toma conhecimento [de que o ministro da Cultura] decidiu participar num evento tauromáquico na Azambuja”.

“Luta contra a corrupção é um dos grandes desafios de Timor-Leste”, alerta Ana Gomes

Timor-Leste está a celebrar duas décadas de independência, depois de um processo longo, em que Portugal participou. O JE convidou Ana Gomes para recordar este processo e para nos falar sobre os desafios que se colocam àquela que é uma das mais jovens democracias do mundo. Ana Gomes foi chefe da missão diplomática portuguesa na Indonésia e uma protagonista do processo de negociação da independência timorense.

Covid-19. Mortalidade vai aumentar e máscara recomendada quando exista risco de contágio

A mortalidade por Covid-19 deverá aumentar em Portugal nos próximos 30 dias, indica um relatório do Instituto Superior Técnico (IST) sobre a pandemia, que recomenda o uso de máscara sempre que exista risco de contágio.
Comentários