Morreu Magazino, o DJ que foi feliz na cabine e na pista de dança

No seu último texto no Instagram, Luís Costa escrevia que ia “arranjando soluções para os novos limites à espera que um dia consiga curar-me e voltar ao normal, enquanto esse dia não chega, vivo feliz com os meus limites”. DJ Magazino morreu esta quinta-feira, 9 de dezembro, após 24 meses de luta contra uma leucemia.

Luís Costa, mais conhecido no meio artístico e nas redes sociais como DJ Magazino, morreu esta quinta-feira. A morte do artista foi confirmada à Agência Lusa por uma fonte próxima da família.

Magazino tinha sido diagnosticado com uma leucemia a 2 de dezembro de 2019, tendo partilhado a caminhada com a doença na rede social Instagram com os seus seguidores.

Luís Costa nasceu em Setúbal, em 1977, faleceu com 44 anos. Aos 17 anos de idade, Luís Costa iniciou a sua carreira como DJ e foi pisando palcos nacionais e internacionais.

Numa entrevista ao Jornal Económico, na altura do lançamento do seu livro “Ao Vivo”, Luís Costa admitia estar a lutar pela vida e não contra uma leucemia. “Falo das minhas memórias, daquilo que achei relevante, inclusive de coisas das quais não me orgulho, para as pessoas perceberem que também passamos por momentos maus na nossa vida”, contou ao JE a 15 de outubro.

Durante 24 meses e sete dias, Luís Costa lutou pela vida no IPO de Lisboa, um local que visitou e onde ficou ao longo de vários dias. Durante a sua luta, Magazino foi infetado e diagnosticado com Covid-19, o vírus que acabou por lhe agravar a doença e levou a um coma de 30 dias.

No seu último texto no Instagram, Luís Costa escrevia que ia “arranjando soluções para os novos limites à espera que um dia consiga curar-me e voltar ao normal, enquanto esse dia não chega, vivo feliz com os meus limites”.

Um mês após a apresentação do seu livro, escrito a par com a jornalista Ana Ventura, Luís Costa contava que os seus últimos exames não tinham sido favoráveis para si e que iria dar início a um novo tratamento de quimioterapia mais agressivo.

“Entrei para mais um internamento no IPO, que pode ir de três a cinco semanas, se me aguentar, porque o tratamento é tão arrasador que há o risco de não o suportar”. “É muito agressivo, mas é uma última tentativa de tentar controlar a doença”, escreveu a 8 de novembro.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por magazino (@magazino)

Relacionadas

“Já fui muito feliz na pista de dança”. Recorde a entrevista de DJ Magazino

No dia da sua morte, recorde a entrevista de DJ Magazino ao JE no dia da apresentação do seu livro “Ao vivo”.
Recomendadas

Exposição no Museu da Marinha celebra a amizade entre Alberto I do Mónaco e Dom Carlos I

No âmbito das comemorações do centenário do desaparecimento do Príncipe Alberto I do Mónaco, o Museu de Marinha de Lisboa irá acolher uma exposição organizada pelo Comité Albert Ier – 2022. Estará patente ao público a partir de dia 15. A inauguração, na véspera, conta com a presença do atual Príncipe do Mónaco, Alberto II.

Agressão ginecológica: um episódio, apenas

Não será tempo de expormos mais abertamente a violência ginecológica a que nós mulheres somos expostas? Sim. E nada desculpa este cenário, nem a luta entre médicos ginecologistas e Governo. A cada agressão deve corresponder uma queixa formal. Só assim podemos dizer com propriedade: “Sou dona do meu corpo. Exijo respeito, seja em que circunstâncias for”.

“Trair e Coçar é só começar” vai ter dois ensaios solidários

O público português tem a oportunidade de assistir aos últimos ensaios antes da grande estreia e apoiar, assim, duas associações de solidariedade.
Comentários