Morreu o escritor espanhol Javier Marías

Considerado um dos maiores autores espanhóis, foi vítima de uma pneumonia, tendo dado o seu último suspiro em Madrid. Era, há mais de uma década, um nome da literatura espanhola que surgia nas listas de favoritos a serem distinguidos com o prémio Nobel.

O escritor Javier Marías morreu ontem , dia 11, ao princípio da tarde em Madrid, em consequência de uma pneumonia que o deixara em coma havia mais de um mês. Faria 71 anos no próximo dia 20. A notícia da morte foi dada pelo jornal espanhol ABC, que citou como fonte a família do autor.

Os seus livros foram publicados em 46 idiomas e em 59 países e vendeu mais de oito milhões de cópias em todo o mundo.

Autor de 15 romances, entre os quais os premiados “O homem sentimental”, “Todas as almas” ou “Coração tão branco”, é um dos mais celebrados escritores de língua espanhola.

Marías escreveu ainda romances como “Amanhã na batalha pensa em mim” e “Berta Isla”, que foi premiado em Portugal, estando a sua obra largamente traduzida para português, onde era atualmente publicado pela Alfaguara Portugal (chancela da Penguin Random House).

Filho do filósofo Julián Marías, o autor madrileno publicou o seu primeiro romance, “Os domínios do lobo” em 1971. O seu último livro, “Tomás Nevison”, foi publicado em março deste ano.

Em dezembro de 2021, o escritor foi eleito membro internacional da Royal Society of Literature, instituição de solidariedade do Reino Unido que se dedica à promoção da literatura.

Em 15 de agosto, a editora Alfaguara tinha confirmado à agência espanhola EFE que o escritor sofria de uma doença pulmonar, da qual se encontrava a recuperar.

O jornalista e escritor espanhol Arturo Pérez-Reverte recorda o amigo Javier Marías.”Javier era muito meu amigo. Éramos muito amigos durante muitíssimos anos. Nos últimos tempos não nos vimos porque foi uma doença longa, dolorosa e silenciosa”, lembra o escritor em declarações à TSF. Arturo Pérez-Reverte considera que o mais triste é que Javier Marías tenha morrido sem ter recebido um prémio Nobel. “Dá-me uma profunda tristeza. Não tendo sido entregue a Marías, o Nobel fica com menos prestígio do que deveria ter”, considera.

“A escrita de Javier Marías é diferente de qualquer outra. É fácil de parodiar, é impossível de imitar”, escreveu ontem o amigo e escritor Eduardo Mendonza no jornal “El País”. “Várias vezes o ouvi dizer que tinha escrito o seu último romance, que não tinha mais nada a dizer. Depois de alguns meses ele confessava que tinha começado outro romance, quase contra o seu próprio julgamento. E esse outro Marías, que o obrigava a escrever, fazia-o cada vez melhor.”

Recomendadas

Festival Futurama arranca amanhã em Mértola

Ao longo de quatro fins de semana, o Baixo Alentejo abre-se ao público como um laboratório de experimentação e de apresentação de diálogos transdisciplinares, com mais de 40 artistas portugueses e espanhóis em espaços patrimoniais, culturais e naturais.

“Discover the Art of the Airport” no Aeroporto Internacional de Hamad

O Qatar tornou-se num dos primeiros países do Golfo a estabelecer um programa de arte pública contemporânea abrangente, liderado pelo Qatar Museums, com o objetivo de integrar a arte na vida quotidiana. O programa incluiu aproximadamente 70 obras de mais de 60 artistas do Qatar, do Médio Oriente e de todo o mundo.

Alterações do Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura entram em vigor quarta-feira

O Governo aponta que houve “a necessidade de simplificar e ajustar algumas soluções, nomeadamente a respeito do modelo de comunicação da celebração de contratos de prestação de serviço, do regime a aplicar relativamente à prestação social de inclusão, bem como da modalidade contributiva do trabalhador independente”.
Comentários