Morreu Richard Rogers, o arquiteto que concebeu o Centro Georges Pompidou

Richard Rogers, de 88 anos, que ganhou o Prémio Pritzker em 2007, “morreu pacificamente”. Além do Centro Pompidou, em Paris, Rogers projetou a sede da companhia de seguros Lloyd’s, que abriu em 1986 na ‘city’ de Londres e é monumento classificado no Reino Unido.

O arquiteto britânico Richard Rogers, que concebeu o Centro Georges Pompidou em Paris com Renzo Piano, morreu no sábado à noite, disseram um porta-voz e o filho.

Richard Rogers, de 88 anos, que ganhou o Prémio Pritzker em 2007, “morreu pacificamente”, disse Matthew Freud, presidente e fundador da agência de comunicação Freuds, à agência de notícias britânica PA.

De acordo com o jornal New York Times, o filho Roo Rogers confirmou a morte, de causa não especificada.

A família do arquiteto, nascido em Florença, em 1933, fugiu de Itália, então sob o regime do líder do Partido Nacional Fascista Benito Mussolini, para Londres, onde Richard Rogers se tornou num dos pioneiros do movimento de “alta tecnologia”, distinguindo-se pelas estruturas de vidro e aço e tubagens expostas.

Além do Centro Pompidou, no coração de Paris, que concebeu com o amigo Renzo Piano em 1971 , projetou a sede da companhia de seguros Lloyd’s, que abriu em 1986 na ‘city’ de Londres e desde 2011 monumento classificado no Reino Unido.

Concebeu também o edifício do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos em Estrasburgo, os escritórios de Potsdamer Platz em Berlim, um terminal no Aeroporto Internacional de Barajas em Madrid, o Three World Trade Center em Nova Iorque, e o Millennium Dome em Londres, uma curiosidade das celebrações do ano 2000 que lhe valeu a ira do Príncipe Carlos.

Depois de se tornar Lorde Rogers of Riverside, o arquiteto ocupou, em 1996, um lugar na Câmara dos Lordes, a câmara alta do Parlamento britânico, nas fileiras trabalhistas.

Recomendadas

Projeto “Ponte nas ondas” integra Boas Práticas de Património Imaterial da UNESCO

O projeto luso-galaico “Ponte nas Ondas” foi hoje reconhecido pela UNESCO, em Rabat, Marrocos, passando a integrar o Registo de Boas Práticas de Salvaguarda de Património Cultural Imaterial daquela organização internacional, tornando-se na primeira candidatura portuguesa da lista.

“Odisseia Nacional” do D. Maria II, um teatro em périplo pelo continente e ilhas

Durante 2023, o Teatro Nacional D. Maria II vai desenvolver um programa extramuros e levar a todas as regiões de Portugal continental e ilhas um vasto leque de iniciativas. Envolver públicos e comunidades na descentralização da cultura é um dos objetivos desta “Odisseia”, com início marcado para janeiro.

Botânico de Coimbra ganha jardim para se tocar, provar e cheirar as plantas

O Jardim Botânico da Universidade de Coimbra vai abrir, na segunda-feira, o “Jardim Sensorial”, um novo espaço no qual os visitantes serão desafiados a tocar, ver, provar e cheirar diferentes plantas.
Comentários