Mota-Engil África estreia-se na bolsa de Londres a 16 de julho

Maior grupo de construção português avança para oferta pública inicial da subsidiária africana na bolsa de Londres. Títulos serão vendidos entre 11,50 e 14,50 euros. A aguardada entrada em negociação das ações da Mota-Engil África no mercado londrino, está marcada para o próximo dia 16 de Julho. A colocação, que parte com uma avaliação máxima […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Maior grupo de construção português avança para oferta pública inicial da subsidiária africana na bolsa de Londres. Títulos serão vendidos entre 11,50 e 14,50 euros.

A aguardada entrada em negociação das ações da Mota-Engil África no mercado londrino, está marcada para o próximo dia 16 de Julho. A colocação, que parte com uma avaliação máxima de  1,66 mil milhões de euros, poderá representar para a construtora um encaixe de 500 milhões de euros.
Com uma política evolutiva de distribuição de dividendos, cujo rácio de payout irá variar entre um mínimo de 50% e um máximo de 75% do resultado líquido, a dispersão está a despertar grande interesse por parte de investidores internacionais que procuram exposição aos negócios africanos.

Em curso está o roadshow que pretende dar a conhecer a empresa aos investidores. Para além de Londres, a Mota-Engil África passará pela Cidade do Cabo, Nova Iorque, Boston, Lisboa, Madrid, Frankfurt e Zurique, até ao próximo dia 10 de julho.

África é atualmente o principal mercado do grupo português, tendo representado, no primeiro trimestre deste ano, 47% da faturação da empresa fundada por António Mota. A construtora está presente em onze países africanos, tendo uma implantação  forte nomeadamente nas ex-colónias portuguesas, Angola e Moçambique, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Recentemente, a Mota-Engil África ganhou também um mega-concurso de 2.600 milhões de euros nos Camarões e estuda a entrada em quatro novos mercados da região subsariana. De resto, a aposta do grupo no continente africano passa pela angariação de contratos de grande dimensão, tanto no sector da construção, como na mineração, gás natural ou petróleo.

Em África, o grupo tem vindo a reforçar o seu posicionamento enquanto EPC (engenharia, procurement, construção). Embora a estratégia exija às “empresas de engenharia e construção um maior esforço de capital”, também representa consequentemente, uma “maior capacidade de alargamento da cadeia de valor e rentabilidade”, afirmou Gonçalo Moura Martins, chairman da Mota-Engil África, em comunicado.

Após a dispersão em Londres (efetuada unicamente em libras esterlinas) da holding da construtora que reúne os negócios em África, os traders que estiverem interessados poderão operar sobre os títulos desta nova IPO através da ferramenta de CFDs sobre ações disponibilizada pela IG, líder mundial na negociação deste tipo de produtos financeiros.

A entrada em bolsa da Mota-Engil África surge após a recente e bem sucedida IPO efetuada pelos CTT. Realizada em Dezembro do ano passado, a colocação da empresa anteriormente detida pelo Estado português, registou um elevado nível de procura, que permitiu a venda das ações ao preço mais alto do intervalo inicialmente proposto, o que representou uma valorização para os CTT de 828 milhões de euros. Subscritos na sua maioria por investidores institucionais, os títulos da empresa têm demonstrado um bom desempenho, atualmente com uma valorização de cerca de 30% em relação ao preço de IPO. Entretanto, foi anunciada pelo Governo português a antecipação da venda dos 31,5% que ainda se encontra nas mãos do Estado, que estava prevista para Setembro.

Esta informação foi preparada pela IG, marca comercial da IG Markets Limited. O conteúdo destas páginas não constitui (e não será concebido de forma a constituir) qualquer espécie de aconselhamento, ou recomendação de investimento, ou um registo dos nossos preços de negociação, ou uma oferta ou solicitação para a transação de qualquer instrumento financeiro. A IG não aceitará qualquer responsabilidade em consequência de qualquer uso que possa ser dado ao referido conteúdo, ou sobre qualquer efeito que daí advenha. Não asseguramos a precisão ou integridade da informação. Consequentemente, qualquer pessoa assume o risco da atividade realizada com base nesta. A análise produzida não tem como finalidade qualquer objetivo de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de quem o consultar. Esta não foi produzida com base nos requisitos legais que promovem a independência da análise financeira e, assim sendo, esta é considerada uma mensagem de marketing. Não estando impedidos de negociar com base nas nossas recomendações, não procuramos retirar qualquer tipo de vantagem da informação providenciada aos nossos clientes. Os CFDs são Produtos Financeiros Complexos. Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e esteja disposto a aceitá-las. Pode Implicar a perda da totalidade ou mais do que o capital investido.

 

Com o apoio de:

1º IG

 

Recomendadas

Juros da República portuguesa a 10 anos em máximos de cinco anos. Euro continua a cair face ao dólar

Itália tem os juros a dispararem para quase 5%. As dívidas soberanas estão numa escalada imparável. Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a subir, para novos máximos, alinhados com os da Grécia e Itália.

Decisão da Fred vai provocar recessão? Libra afunda e complica contas no Reino Unido e reação às eleições italianas. Veja o “Mercados em Ação”

As consequências da decisão da Fed para a economia, o afundar da libre e a reação dos mercados às eleições italianas. André Cabrita-Mendes, subdiretor do JE, e Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, analisam estes e outros temas juntamente com Pedro Lino, administrador da Optimize Investment Partners.

Euribor volta a subir para novo máximo a seis meses e cai a três e a 12 meses

As taxas Euribor desceram hoje, pela primeira vez desde 09 de setembro, a três e a 12 meses, e voltaram a subir a seis meses, para um novo máximo desde janeiro de 2009.