Mota-Engil assina contrato de 1,3 mil milhões no México (com áudio)

Empresa portuguesa vai construir várias linhas de metro em Monterrey.

Cristina Bernardo

A Mota-Engil assinou um contrato no valor de 1,3 mil milhões de euros no México, anunciou esta segunda-feira a empresa.

Este contrato visa a construção de várias linhas de metro em Monterrey, cidade localizada no estado de Nuevo León, no nordeste do país, junto à fronteira com os Estados Unidos.

O contrato consiste na “construção das linhas 4, 5 e 6 do Metro de Monterrey, com uma extensão de 36 km, apresenta uma duração prevista de 5 anos e irá contribuir para melhorar as soluções de mobilidade na cidade de Monterrey”.

“Com a adjudicação deste projeto, a Mota-Engil consolida a sua posição no México como um dos maiores players no segmento ferroviário”, pode-se ler no comunicado enviado à CMVM.

A Mota-Engil está a subir 2,30% para 1,066 euros na bolsa de Lisboa.

Esta segunda-feira, a empresa iniciou uma operação de financiamento no mercado obrigacionista para angariar 50 milhões de euros que termina a 17 de outubro.

Relacionadas

Mota-Engil prestes a ganhar concurso para construir três linhas de metro no México

“A Mota-Engil e China CRRC são as melhor posicionadas para lhes ser adjudicada a construção das linhas 4, 5 e 6 do Metro em Monterrey (México) por cerca de 1,4 mil milhões de euros”, lê-se no research de analistas do BPI. A empresa não comenta, mas, a confirmar-se, será o maior contrato de sempre da empresa portuguesa na América-Latina.
Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários