Mota-Engil assina contrato de concessão em Angola no valor de 450 milhões de dólares

O contrato tem um prazo inicial previsto de 30 anos e prevê um investimento total de 450 milhões de dólares (451,8 milhões de euros), dos quais 166 milhões de dólares em infraestruturas e 70 milhões em material circulante.

A Mota-Engil SGPS anunciou esta sexta-feira que foi assinado, pela sua participada para África (Mota-Engil África), em consórcio com a Trafigura Pte Ltd. e a Vecturis, um contrato para a concessão de serviços ferroviários e apoio logístico para o corredor de Lobito, uma rota fundamental para a ligação das minas na República Democrática do Congo (RDC) ao porto de Lobito em Angola e aos mercados internacionais.

A Mota-Engil África participa em 49,5% no consórcio que será responsável pela exploração, gestão e manutenção da infraestrutura rodoviária para transporte de mercadorias, minerais, líquidos e gases para o corredor que liga o porto de Lobito a Luau, no leste de Angola, próximo da fronteira com a República Democrática do Congo.

O contrato tem um prazo inicial previsto de 30 anos e prevê um investimento total de 450 milhões de dólares (451,8 milhões de euros), dos quais 166 milhões de dólares em infraestruturas e 70 milhões em material circulante.

Com esta adjudicação, o grupo “continua a reforçar a sua carteira de encomendas e a diversificar a sua carteira de projetos, assegurando um fluxo de receitas mais constante no médio e longo prazo”, diz a construtora, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Recomendadas

Angola estuda impacto social de fim dos subsídios ao preço dos combustíveis

Segundo Vera Daves, Angola está a analisar com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) as “possíveis” medidas de mitigação do impacto social, porque as “preocupações mantêm-se” relativamente ao potencial impacto social da remoção dos subsídios aos combustíveis, que têm um preço muito baixo e não reflete a oscilação do mercado internacional.

Angola. Processo de reprivatização da UNITEL já começou (com áudio)

Em outubro, o presidente de Angola anunciou a transferência para o Estado, através de nacionalização, das participações da Vidatel e da Geni na operadora de telecomunicações angolana Unitel, detidas até então por Isabel dos Santos e pelo general Leopoldino Fragoso do Nascimento “Dino”.

Portugal “acompanha” declaração condenatória da UE sobre eleições na Guiné Equatorial

“Com a proclamação dos resultados definitivos das eleições presidenciais, legislativas e municipais pelo Tribunal Constitucional da República da Guiné Equatorial, conclui-se o processo eleitoral. A este respeito, Portugal acompanha as declarações emitidas pelas organizações que integra – CPLP e UE”, fez saber o Ministério dos Negócios Estrangeiros numa nota hoje divulgada no Portal Diplomático.
Comentários