Mota-Engil e Quadrante vão reabilitar e expandir estádio na Costa do Marfim

O estádio Félix Houphouët-Boigny, em Abidjan, na Costa do Marfim vai contar com uma área de cerca de 27 mil m2 e capacidade para receber cerca de 30 mil espectadores.

A construtora Mota-Engil e o gabinete de arquitetura Quadrante estabeleceram uma parceria para desenvolver e expandir o estádio Félix Houphouët-Boigny, em Abidjan, na Costa do Marfim. De resto, este projeto vem no seguimento do que já havia sido feito no Stade da la Paz, localizado na cidade marfinense de Bouaké.

Este projeto vai ser desenvolvido através do Modelo da Informação da Construção (BIM na sigla inglesa), com o recinto desportivo a englobar uma área de cerca de 27 mil m2 e capacidade para receber cerca de 30 mil espectadores.

Além disso, irá ser feita uma ampliação das áreas de apoio logístico, da zona para os atletas, um campo de aquecimento, áreas dedicadas aos media e ao público e um estacionamento com capacidade para 150 lugares, sendo  que posteriormente será também construído um edifício de escritórios que irá albergar a sede do Office National des Sports (ONS).

Rui Santos, arquiteto da Quadrante e responsável pelo projeto, refere que “a arquitetura inspirou-se nas referências e cultura locais para criar um ícone marcante e contemporâneo para a cidade de Abidjan. Procurámos tirar partido da estrutura metálica e de betão na materialização da nova cobertura e fachada, que assumem um papel de destaque”.

Já o CEO, Nuno Costa destaca que o facto do gabinete de arquitetura ter uma equipa de quase 300 arquitetos, engenheiros, especialistas nas áreas da sustentabilidade, BIM e controlo de custos “permitiu criar uma solução de elevado valor para a Mota Engil, uma vez que todas as especialidades trabalharam em conjunto, otimizando soluções, desde a fase de concurso”.

Recomendadas

Mota-Engil vai alargar ‘board’ para 17 membros no dia 30. Paulo Portas e José Pinto Nogueira entram

Nas propostas que serão votadas a administração da empresa indica como futuros elementos o antigo vice-primeiro-ministro Paulo Portas, confirmando uma informação avançada pelo Jornal Económico, bem como João Pedro Parreira e José Nogueira Pinto. Da administração sai Xiangrong Wang, que apresentou a renúncia a 22 de dezembro.

Custos da construção desaceleraram para 11,7% em novembro

Esta subida corresponde a uma descida de 0,6 pontos percentuais (p.p) do que o verificado no mês anterior. O preço dos materiais e o custo da mão de obra apresentaram, respetivamente, variações de 15,4% e de 6,7%, respetivamente face ao período homólogo.

Mota-Engil propõe Carlos Mota Santos para CEO e ‘chairman’ 

Carlos Mota Santos exerce atualmente o cargo de vice-presidente da comissão executiva da empresa. Em causa está a “renovação geracional” do grupo do sector da construção.
Comentários