Mota-Engil emitiu 60,5 milhões de euros em obrigações seniores

A operação, que aconteceu no dia 11 de dezembro e em simultâneo com recompra de empréstimos obrigacionistas, foi realizada em linha com os objetivos estratégicos da construtora.

Mario Proenca/Bloomberg

A Mota-Engil recebeu ordens de subscrição no valor total de 60,5 milhões de euros na emissão de obrigações seniores que teve lugar no dia 11 de dezembro, segundo informações enviadas esta quarta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

As novas obrigações têm vencimento previsto para janeiro de 2023 e uma taxa de juro de 4% ao ano, de acordo com a empresa.

Em simultâneo, a Mota-Engil informou que vai amortizar todas as obrigações representativas dos empréstimos obrigacionistas denominados “Mota-Engil USD 2014/2018” e “Mota-Engil 2014/2019” adquiridas no âmbito da subscrição em espécie das novas obrigações, pelo que solicitará o respetivo cancelamento.

A operação contou com o Banco Finantia como lead manager e sole bookrunner e foi realizada em linha com os objetivos estratégicos da Mota-Engil “de diversificação de fontes e tipos de financiamento, bem como de alargamento de maturidades”, segundo refere o comunicado.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários